VIOLÊNCIA | Contra idosos cresce na pandemia do novo coronavirus

Estamos na semana de conscientização da violência contra a pessoa idosa. Infelizmente, durante a pandemia do coronavirus essa violência é crescente dentro das famílias. As violências mais comuns são: negligência, violência física e psicológica, hostilidade e xingamentos, maus tratos e, principalmente, a violência patrimonial e o abuso econômico, que ocorrem quando o idoso tem seu salário retido ou seus bens roubados e destruídos.

Milhares de famílias dependem da aposentadoria dos idosos. Diante disso, membros da família se utilizam da fragilidade do idoso e praticam o seqüestro de sua renda e fraudes com cartão de crédito e empréstimos consignados. E os serviços de saúde públicos voltados para os mais velhos, como por exemplo, os Centros de Referência em Assistência Social, ainda são escassos e contribuem para a dependência completa dos idosos.

A pandemia do coronavírus colocou a saúde dos idosos em evidência por serem do grupo de risco. O presidente da COBAP, Warley Martins, reafirma “o resgate de investimentos, políticas públicas e proteção de direitos para este segmento da população brasileira” como medidas fundamentais para a categoria. “A população idosa é a que mais cresce no país. Isso evidencia a necessidade de se reforçar o pleno funcionamento do Estatuto do Idoso que, após quase 17 anos de implementação, ainda não é devidamente obedecido”, ressalta.

Apesar do medo dos idosos, as denúncias de violência têm crescido durante a pandemia. No mês de março, início da quarentena, houveram 3 mil denúncias. De acordo com dados divulgados pela Secretaria Nacional dos Direitos Humanos do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, em abril esse índice passou para 8 mil e, em maio, foi para 17 mil. O isolamento social tornou os idosos mais vulneráveis à violência, pois ficaram mais expostos aos familiares agressores.

Algumas iniciativas de apoio governamental, tais como as Instituições de Longa Permanência para idosos que enfrentam dificuldades financeiras durante a pandemia, com repasses de alimentos, material de higiene e equipamentos de proteção individual (EPI); e o Programa Viver – Envelhecimento Ativo e Saudável, que já inaugurou 100 unidades em todo o país, com inclusão digital e social da pessoa idosa para melhorar a qualidade de vida, ainda não são suficientes para cumprir a demanda da população idosa.

É preciso ampliar a informação sobre os meios e canais de denúncia contra os violadores e também sobre os centros de apoio e acolhimento das vítimas de violência no país. Existem disponíveis para denúncias e informações o Disque 100, o aplicativo Direitos Humanos Brasil e o site da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos que oferecem serviços gratuitos e funcionam 24 horas por dia.

Maurício Oliveira – Assessor econômico (cobap)

Por Livia Rospantini

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

LAURO MÜLLER | Rua Prefeito Flávio Righetto, começa a receber sinalização

O Governo de Lauro Müller vem instalando, nas últimas semanas, placas de sinalização de trânsito na rua Prefeito Flávio Righetto, no Centro. A via...

Embrapa lança nova variedade de feijão carioca com maior resistência e produtividade

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) lançou uma nova variedade de feijão carioca que, segundo a companhia, possui um índice de produtividade dos...

Primeira semana de funcionamento do Pix movimenta mais de R$ 9 bilhões

Mais de 12 milhões de transações financeiras foram feitas na primeira semana de funcionamento do Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central....

Senado aprova projeto para aumentar pena a crime cometido por discriminação

BRASÍLIA - O Senado aprovou um projeto aumentando a pena para crimes cometidos por discriminação no Brasil. A proposta foi apresentada pelo senador Paulo Paim (PT-RS)...