Urussanga: Servidores da educação protestam em frente a prefeitura

Uma manifestação do Sindicato dos Servidores Públicos de Criciúma e região ocorreu na manhã de ontem quinta-feira (10) em frente a Prefeitura de Urussanga. A medida é para evitar prejuízos para trabalhadores da educação. Isso porque no dia 24 de abril deste ano, os vereadores da cidade aprovaram o Projeto de Lei PE 14/2020, em regime de urgência, que permitia a adoção de medidas para o enfrentamento do estado de calamidade pública em decorrência da pandemia de coronavírus. Na época, o Projeto de Lei foi aprovado por seis votos. Dois vereadores se abstiveram. Elson Roberto Ramos e Vanir Zuleima Mazzuco Cacciatori, ambos do MDB.

O Projeto de Lei garantiu a administração municipal o direito de suspender o reajuste anual dos servidores públicos, inclusive do magistério, por tempo indeterminado. A medida não se aplica a servidores com salário base inferior a R$ 1.600,00 e jornada de trabalho de 40 horas semanais.

“Nós não poderemos admitir que os professores ACT’s tenham 11 dias descontados dos seus salários. Assim como os demais servidores que terão que pagar dias. As leis são feitas e refeitas. Nós estamos pedindo que o governo repense”, afirma Jucélia Vargas, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Criciúma e região, em entrevista ao repórter Enio Biz.

Após a manifestação, uma reunião aconteceu no salão de atos da Prefeitura. Estiveram presentes, além de Jucélia Vargas e uma servidora, o advogado da Prefeitura, Cléber Cesconetto; a chefe de gabinete, Aleckssandra Maccari; e Mariana Bonetti. O prefeito, Gustavo Cancellier não estava na prefeitura e não participou da reunião.

Procurado pela reportagem, a assessoria de imprensa informou que hoje ninguém da administração municipal vai se pronunciar. A informação é de que o prefeito dará entrevista hoje sexta-feira (11).

Reportagem: Redação Rádio Marconi de Urussanga

ÚLTIMAS NOTÍCIAS