Imbituba | Trajetória das baleias é acompanhada por terra e ar

As gigantes já estão no litoral brasileiro. Sempre nesta época do ano, as baleias-francas deixam as águas geladas da Antártida em busca de mares mais quentes e calmos para facilitar a reprodução, amamentação e o nascimento dos filhotes. Essa trajetória que os mamíferos fazem é acompanhada por um programa de monitoramento que inclui viagens de helicóptero e acompanhamento por terra.

A ideia dessa ação, que monitora baleias até novembro, é aumentar o conhecimento acerca da ecologia da espécie frente às atividades portuárias. O programa acontece há 12 anos é uma parceria da SCPar Porto de Imbituba, Acquaplan e o Instituto Australis, entidade especializada no estudo das baleias-francas.

De acordo com a autoridade portuária, a metodologia de avistamentos do porto abrange monitoramento aéreo e terrestre. Diariamente, duas equipes ficam em terra, de prontidão em dois pontos estratégicos no litoral, nas praias do Porto e da Ribanceira, em Imbituba. O tempo de observação padrão é de seis horas diárias, divididas em dois turnos, podendo variar de acordo com a quantidade de horas/luz diárias e condições climáticas, bem como a movimentação de navios.

Já as viagens aéreas ocorrem por helicóptero ao longo da temporada. São três sobrevoos distribuídos entre os meses de julho, setembro e novembro, em toda a faixa da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, desde o Sul de Florianópolis até Torres (RS). A primeira viagem da temporada está prevista para a segunda quinzena de julho.

“Esse procedimento terrestre monitora e registra a presença das baleias-francas nas áreas próximas ao porto, obtendo informações sobre o seu comportamento, que pode ser, por exemplo, de natação, descanso e interação mãe e filhote”, acrescenta Camila Amorim, oceanógrafa e gerente de saúde, segurança e meio ambiente da SC Par Porto de Imbituba.

Como complemento, o monitoramento aéreo permite que seja analisada a distribuição das francas na região, fazer a contagem de indivíduos e identificar a presença de outros cetáceos, como golfinhos ou outras espécies de baleias.

Catalogação

Todas as baleias visualizadas são fotografadas e catalogadas com base em calosidades únicas que a espécie tem em cima da cabeça. Essa marca equivale às impressões digitais, que os seres humanos carregam na ponta dos dedos.

“Com isso, podemos saber se estas baleias-francas já estiveram por aqui em outras temporadas ou se estão sendo avistadas pela primeira vez”, afirma o oceanógrafo Gilberto Ougo, oceanógrafo da Acquaplan.

Com informações do Portal Agora Laguna

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Amabily, de BN, é bicampeã brasileira de karatê

Ela só tem 12 anos, está no sexto ano do ensino fundamental, mas já acumula vitórias de gente grande. Amabily dos Santos de Oliveira,...

Siderópolis registra 12ª morte pela Covid-19

A Prefeitura de Siderópolis informa, com grande pesar, mais uma morte por Covid-19 que ocorreu na quinta-feira, dia 26, uma moradora, de 68 anos,...

Funerária Zapelini informa o falecimento do Sr. Agenor Menegasso conhecido por “Noinha”

Faleceu ontem dia (27) ás 11h em sua residência  com a idade de 73 anos o senhor Agenor Menegasso mais conhecido por "Noinha", deixa...

Sindilojas divulga horário do comércio durante o Natal em Laguna

O Sindicato do Comércio Atacadista e Varejista de Laguna (SindiLojas), divulgou nesta sexta-feira, 27, o horário especial do comércio para o período natalino em Laguna. Segundo...