TJ confirma pena de 22 anos a homem que matou DJ e apresentador no sul do Estado

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria do desembargador Ernani Guetten de Almeida, decidiu manter sentença de 22 anos de reclusão em regime fechado a homem que matou um DJ e apresentador, em janeiro deste ano, no sul do Estado. O caso foi julgado em 1º grau e apreciado em 2º grau em menos de nove meses. O réu foi condenado pelos crimes de latrocínio, tentativa de ocultação de cadáver e corrupção de menores, porque contou com o auxílio de dois adolescentes, ambos de 17 anos. O trio atraiu a vítima para uma emboscada com o objetivo de roubar seu veículo SUV.

Na noite de 6 de janeiro deste ano, segundo a denúncia do Ministério Público, o DJ e apresentador levou os três suspeitos para dar uma volta por algumas praias de Laguna. De acordo com os depoimentos dos envolvidos, o objetivo da vítima era consumir drogas. Já o réu e os adolescentes estavam interessados em ficar com o veículo. Na direção da SUV, o DJ foi surpreendido pelos “colegas” ao receber socos e chutes e desmaiou após ser asfixiado. Foi amarrado, colocado no bagageiro e, após manobra brusca do condutor, teve o corpo arremessado do porta-malas. Laudo apontou que a morte foi causada justamente por traumatismo craniano.

Com a intenção dos agressores de ocultar o corpo, o DJ foi jogado ao mar. O problema é que a corrente marítima trouxe a vítima para a areia. Com a divulgação do caso pela imprensa, o réu abandonou o veículo SUV no morro da Antena, em Tubarão. Inconformado com a condenação, ele recorreu ao TJ com pedido de absolvição pela ausência de provas. Subsidiariamente, requereu a desclassificação do crime de latrocínio para homicídio ou lesão corporal seguida de morte, porque o objetivo não era matar a vítima. Já em relação aos delitos de tentativa de ocultação de cadáver e corrupção de menores, buscou o reconhecimento da atipicidade da conduta.

Em juízo, o homem apresentou uma versão diferente da relatada na delegacia. “Do que se nota, portanto, o apelante e os adolescentes possuíam, desde o momento em que decidiram ceifar a vida do ofendido, a deliberada intenção de permanecer com o veículo subtraído, somente se desfazendo dele para preservar sua própria integridade após ameaças de traficantes locais. Ou seja, é patente a presença do animus furandi“, disse o relator em seu voto.

A sessão foi presidida pelo desembargador Getúlio Corrêa e dela também participaram os desembargadores Leopoldo Augusto Brüggemann e Júlio César Ferreira de Melo. A decisão foi unânime. O processo está em segredo de justiça.​​​

Jornalista Fernanda de Maman : Núcleo de Comunicação Institucional

Comarca de Criciúma

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Para evitar aglomeração, 16ª Caminhada do Coração será realizada de forma especial

"Entre os dias 21 e 28 de setembro, o Hospital Cardiológico Costantini convida a população a caminhar, seguindo as recomendações de distanciamento social das...

Santa Catarina | Recicla mais de 45 mil toneladas de resíduos de peixes ao ano

A indústria da pesca representa uma importante parcela da economia catarinense. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e...

Desenvolvimento de pesquisas sobre mercúrio são tema central de projeto entre Satc e Copel

Pesquisadores da Satc e da Copel Geração e Transmissão, subsidiária da Companhia Paranaense de Energia, estão iniciando os estudos para avaliar as emissões de...

Fundador da Duty Free doa toda a sua fortuna; mais de 8 bilhões de dólares

O bilionário Charles "Chuck" Feeney, de 89 anos, cumpriu um sonho inusitado: doou, ainda em vida, 8 bilhões de dólares (cerca de R$ 42...