TJ confirma júri popular para ex-prefeito acusado de encomendar a morte de advogado

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina negou recurso em sentido estrito interposto por casal acusado de encomendar a morte de um advogado, em crime registrado na cidade de Guaraciaba, no extremo oeste do Estado. Publicado na tarde desta sexta-feira (21/5) o acórdão indeferiu o pedido do ex-prefeito e da ex-vereadora de Xaxim que buscavam derrubar a sentença de pronúncia em 1º Grau. Com a decisão, os dois irão enfrentar júri popular, em data a ser definida

[…] é possível pronunciar o acusado ante suficientes indícios da autoria e materialidade do fato, relegando para o Conselho de Sentença, além do enfrentamento das teses de acusação e defesa, também o julgamento de eventuais crimes conexos ao, em tese, crime contra a vida.¿, considerou o desembargador Luiz Antônio Zanini Fornerolli, relator do processo.

No início deste mês, outra apelação julgada pela 4ª Câmara Criminal manteve a condenação dos quatro homens envolvidos no assassinato do advogado. O valor indenizatório estipulado ao filho e à esposa da vítima, no total de R$ 250 mil, foi confirmado por aquele órgão julgador. O crime teve relação com as atividades profissionais desenvolvidas pela vítima.

O crime

De acordo com a denúncia, no dia 13 de agosto de 2018, dois acusados saíram de carro de Chapecó para Guaraciaba. Um terceiro foi de motocicleta cuja placa era clonada e o número do motor adulterado. Nas proximidades do trevo de Guaraciaba, o executor embarcou na moto e os dois foram até o escritório da vítima. Sem retirar o capacete, o atirador  anunciou um ‘assalto’ para as funcionárias do escritório e pediu para levá-lo ao “doutor”. Quando o advogado se abaixou atrás da mesa de trabalho, em menção de pegar o dinheiro, o acusado atirou em sua cabeça.

Sem levar nada, os acusados fugiram de motocicleta para abandoná-la no interior do município de Guaraciaba. Depois, voltaram de carro para Chapecó. O contratante pagou pelo crime R$ 7.500,00 em dinheiro, além de uma arma de fogo. O júri aconteceu no dia 3 de julho de 2019. Somadas as penas dos cinco envolvidos, o montante chega a 138 anos de prisão. A sessão de julgamento durou três dias. Devido a repercussão do caso, o júri foi realizado na Câmara de Vereadores.

TJSC

Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI

ÚLTIMAS NOTÍCIAS