Serra sofre com falta d´água em tempos de Coronavírus

Um carro de som percorre as ruas de Rio Rufino, na Serra de Santa Catarina, conclamando os moradores a economizarem água, produto quase inexistente por ali. Alguns minutos depois, o mesmo veículo propaga outra mensagem, dessa vez focado na guerra contra o coronavírus: “Usem máscara ao sair de casa e não esqueçam de lavar as mãos muitas vezes por dia”. As duas mensagens sintetizam um paradoxo que vem afligindo não só Rio Rufino, mas vários municípios serranos catarinenses. Como seguir o protocolo dos cuidados básicos da prevenção ao vírus se a região enfrenta a pior estiagem dos últimos tempos e muitos locais próximos ao Centro estão com as torneiras secas?

É o auge das consequências de um fenômeno climático que começou no final de 2019 e agora vem protagonizando cenas relativamente incomuns. A transposição de açudes, lagos e, mais recentemente, rios para aumentar o volume do rio Antonina, principal manancial de abastecimento de São Joaquim, é uma delas. Caminhões-tanque estão sugando a água do rio Lava-Tudo e a descarregando em canaletas existentes na beira da SC-438 alguns quilômetros acima. Financiada pela Casan, a operação criada para alimentar a Bacia Hidrográfica do Rio Antonina está sendo executada por seis caminhões-tanque há cerca de 20 dias. Juntos os veículos deslocam pouco mais de 22 milhões de litros por dia fazendo cinco viagens de ida e volta diárias.

Lençol freático seco

– É a pior seca em 66 anos. Nosso solo sempre teve capacidade de armazenamento. Mas pela primeira vez em nossa história, o lençol freático secou, relata o secretário da Agricultura e do Meio Ambiente de São Joaquim, Volnei Júnior, avaliando o impacto que a estiagem vem causando à agroindústria local, principalmente aos dois carros-chefes da economia.

A maçã, responsável por 65% do PIB (Produto Interno Bruto) registrou uma perda de até 40% na produção, significando um prejuízo de R$ 180 milhões aos produtores. Responsável por 10% do PIB, a pecuária sofreu uma quebra de 20% e os pecuaristas, um prejuízo de R$ 170 milhões.

Por todos os lados do interior de São Joaquim e dos municípios vizinhos é possível ver no gado leiteiro os sinais do estresse provocado pela falta de pastagem e de água para beber. A população também sofre com a incerteza da chegada da chuva em quantidade suficiente e com a iminência do surgimento do coronavírus.

– O vírus vai chegar a qualquer hora, sabemos, mas temos de estar prevenidos –, assegura o secretário de Turismo de Urupema, Antenor Pena Arruda. Para isso, a prefeitura fechou uma das duas entradas do município de 2.500 habitantes e implantou na outra uma barreira sanitária.

Até ontem (21/5), os termômetros usados pelas duas funcionárias da Secretaria Municipal de Saúde não detectaram a presença de gente contaminada pelo coronavírus diante delas.

Texto: Imara Stallbaum

Fotos: Antônio Carlos Mafalda

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Associação Empresarial de Orleans comemora 50 anos

Fundada em 1970, a Associação Empresarial de Orleans, ACIO, chega aos 50 anos vivendo um grande momento da sua história. Ao longo do...

ENTREVISTA | Terapeuta e Iridólogo Felipe da Silva, fala de seus atendimentos em Orleans

O Consultório de Terapia Holística no centro comercial Zomer & Berger no centro de Orleans, tem recebido muitos clientes da cidade e de fora...

MEC publica edital para 50 mil vagas remanescentes do Fies

Está publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira, 29, o edital do processo de inscrição para cerca de 50 mil vagas remanescentes do Fundo de Financiamento...

IMBITUBA | Após denúncias, Procon fiscaliza supermercados e atacadista para coibir aumento abusivo

Em meio a pandemia do novo coronavírus e, por conta de inúmeras denúncias feitas por moradores de Imbituba, a diretoria do Procon municipal realizou,...