SC tem potencial para crescer cada vez mais na Ovinocultura de corte

Adelar Sérgio de Brito, da linha Frei Rogério, de Concórdia (SC), atua na produção de suínos e na agricultura praticamente desde a infância, quando ajudava seus pais. Há cerca de 10 anos, ele decidiu investir também na ovinocultura de corte. “Sempre gostei dessa atividade e era um sonho antigo”, destaca o produtor que atualmente contabiliza um plantel completo de 140 ovelhas, sendo 80 matrizes.

Brito e a esposa Elizete trabalham com raças cruzadas, Dorper, Santa Inês e Texel. A comercialização é feita para supermercados e um frigorífico e, segundo eles, a atividade é rentável, porém o aumento dos insumos vem trazendo algumas dificuldades. O casal pretende seguir firme e, além de trabalhar com a ovinocultura de corte, investi W9HH+69 Líder, Chapecó – SCrá em genética.

Há seis meses Brito e Elizete fazem parte do grupo de produtores atendidos pelo programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em ovinocultura de corte do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC), órgão vinculado à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC). A iniciativa é realizada em parceria com os Sindicatos de Produtores Rurais de Irani, de Concórdia e de Seara.

Brito conta que o técnico acompanha e auxilia em muitos aspectos, como por exemplo, nas ações de melhoria das pastagens, na medicação correta, na avaliação dos custos de produção e na gestão como um todo. “O bom é que na prática o programa ajuda a trabalhar de forma mais organizada e a profissionalizar ainda mais nossa atividade”, observa o produtor ao comentar que, em apenas seis meses de programa, já percebe melhorias significativas.

Segundo o técnico de campo do SENAR/SC, Lucas Dalle Laste Dacampo, nesse momento são desenvolvidas na propriedade atividades para a formação das pastagens anuais de inverno. “Também estamos trabalhando com o calendário sanitário, realizando vacinas, e vamos atuar com a parte de melhoramento genético. O produtor poderá agregar renda com animais de genética apurada na raça Dorper”, detalha o técnico ao comentar que são trabalhadas melhorias conforme necessidade de cada propriedade.

O supervisor regional do SENAR/SC, Helder Jorge Barbosa, ressalta a evolução nas propriedades da região e destaca que o produtor está buscando cada vez mais conhecimento na atividade da ovinocultura, visando a qualidade no resultado de seu produto. “Com a ATeG conseguimos trazer essa oportunidade de profissionalização da atividade e as melhorias são significativas. Percebemos resultados expressivos nas propriedades atendidas na região”.

A ATeG atende 11 grupos de 330 produtores em parceria com os Sindicatos Rurais de todo o Estado. O objetivo é acompanhar a produção, auxiliar os produtores no trabalho de campo e orientá-los no gerenciamento das atividades e na gestão dos negócios.

A coordenadora estadual da ATeG em Santa Catarina, Paula Araújo Dias Coimbra Nunes, destaca que o programa já atendeu 590 produtores rurais desde que surgiu em 2016. “Percebemos uma evolução expressiva tanto na gestão quanto no manejo, o que contribuiu para promover o fortalecimento da atividade”. Segundo Paula, no aspecto gestão, o técnico auxilia o produtor a levantar os dados gerenciais da propriedade, analisar indicadores de desempenho e identificar gargalos e melhorias a serem implementadas para obter maior produtividade e lucro. O programa também realiza oficinas, seminários e dias de campo.

No manejo, a ATeG trabalha questões como: nutrição, sanidade, boas práticas agropecuárias, adubação e manejo de pastagens, planejamento forrageiro, manejo reprodutivo, cuidados com cordeiros e creep feeding – sistema utilizado para aumentar o ganho de peso dos cordeiros.

MERCADO EM SANTA CATARINA

O superintendente do SENAR/SC, Gilmar Antônio Zanluchi, enfatiza que os excelentes resultados apresentados nas propriedades confirmam que o programa vem cumprindo com êxito seu papel. “Com a ATeG, os produtores estão fazendo uma gestão mais eficiente e investindo mais em sanidade, nutrição e nas melhorias das técnicas de reprodução, o que é fundamental para oferecer um produto de qualidade e crescer no mercado”. 

Santa Catarina é o maior importador nacional de carne de cordeiro e conta com espaço e demanda para ampliar a produção. O presidente do Sistema FAESC/SENAR-SC, José Zeferino Pedrozo, destaca que há excelentes potenciais de desenvolvimento, pois falta produto para atender a demanda no Brasil. “Temos boas oportunidades de mercado para o segmento e a ATeG surgiu para fomentar essa cadeia produtiva e aumentar a oferta dessa proteína que vem sendo cada vez mais apreciada no mundo da gastronomia”.

CONFIRA OS GRUPOS TÉCNICOS EM ANDAMENTO:

Sindicato Rural

TÉCNICO DE CAMPO

SR Água Doce

Karina Scur Piccoli

SR Anita Garibaldi

Diego Borin Menezes

SR Canoinhas

Laura Muniz Arruda Pereira

SR Fraiburgo

Fabio Mello Sordi

SR Irani

Lucas Dalle Laste Dacampo

SR Mafra

Rafaela Teixeira dos Santos

SR Pouso Redondo

Karen Vieira Alves

SR São Bento do Sul

Carlos Alberto Ceccato Junior

SR São Domingos

Rafael Toazza

SR São Joaquim

Luana Zanferari

SR Videira

Silvio Pelle

      59 MUNICÍPIOS SÃO ATENDIDOS PELA ATEG OVINOCULTURA

Água Doce

Anita Garibaldi

Arroio Trinta

Bela Vista do Toldo

Bocaina Do Sul

Bom Retiro

Campo Alegre

Canoinhas

Capão Alto

Concórdia

Coronel Martins

Correia Pinto

Erval Velho

Fraiburgo

Galvão

Herval D’Oeste

Ibiam

Ibicaré

Iomerê

Irani

Irineópolis

Itaiópolis

Jaborá

Jaraguá do Sul

Joaçaba

Lages

Lebon Régis

Luzerna

Mafra

Major Vieira

Mirim Doce

Monte Carlo

Monte Castelo

Painel

Palmeira

Papanduva

Pinheiro Preto

Pouso Redondo

Rio das Antas

Rio do Campo

Rio do Oeste

Rio do Sul

Rio Negrinho

Salete

Salto Veloso

Santiago do Sul

São Bento do Sul

São Domingos

São Joaquim

Seara

Taió

Tangará

Três Barras

Treze Tílias

Trombudo Central

Urubici

Urupema

Vargem Bonita

Videira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS