InícioÚltimas do Olhar do SulSAÚDE | XIV Congresso Latino-Americano de Dor

SAÚDE | XIV Congresso Latino-Americano de Dor

Primeiro Consenso Latino-Americano sobre Dor Crônica busca redefinir o manejo dessa doença

  • Especialistas de 14 países da América Latina se reuniram com o objetivo de construir o consenso “Dor crônica, uma doença com entidade própria”, para apoiar a atualização médica no nível de atenção primária.
  • As conclusões do consenso foram apresentadas durante o III Workshop Latino-Americano sobre Dor Crônica para jornalistas, uma iniciativa da Grünenthal com o apoio da FEDELAT e do Centro de Educação em Saúde da Universidade de Stanford.

No âmbito do XIV Congresso Latino-Americano de Dor, ocorrido em Lima, Peru, foi realizado o Primeiro Consenso Latino-Americano sobre Dor Crônica. Esse encontro reuniu 21 representantes de 14 sociedades médicas da região para promover a atualização das diretrizes assistenciais e incentivar sua divulgação e utilização na prática médica, com as novas disposições da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), que pela primeira vez inclui a dor crônica como uma doença em si.

Embora se estime que 39% da população brasileira sofra de dor crônica1, “há poucas publicações acadêmicas sobre a doença e pesquisas precisam ser promovidas, daí a importância de que essa iniciativa seja reunida e colocada ao alcance de especialistas, para ajudá-los a ter uma melhor abordagem no nível primário”, comenta o Dr. Marco Narváez, presidente da Federação Latino-Americana de Associações para Estudos de Dor (FEDELAT).

Entre os acordos, também foi estabelecida a promoção de uma abordagem multidisciplinar, ou seja, que a dor crônica seja gerenciada a partir das diferentes especialidades médicas relacionadas à dor, para obter melhora em todas as áreas da vida do paciente, uma vez que se trata de uma doença que o afeta não só física, mas também psicológica e socialmente.

Além disso, ressalta-se a necessidade de continuar criando espaços de educação médica contínua em toda a América Latina, e que se priorize cada vez mais a formação em nível de graduação e pós-graduação nas universidades para melhorar a qualidade de vida dos pacientes portadores dessa condição.

Sobre o impacto do que foi concluído, o Dr. Narváez espera que o consenso Dor crônica, uma doença com entidade própria, “seja uma diretriz fundamental para que cada país, de acordo com suas particularidades, aplique a nova classificação para promover o desenho de políticas que favoreçam a alocação de recursos e, assim, melhorem a prevenção, diagnóstico, controle e tratamento da doença”.

As conclusões desse encontro foram apresentadas durante o III Workshop Latino-Americano sobre Dor Crônica para Jornalistas, uma iniciativa da Grünenthal realizada com o apoio da FEDELAT e do Centro de Educação em Saúde da Universidade de Stanford, que contou também com a participação da Dra. Seema Yasmin, diretora dos programas de Pesquisa e Educação do Centro, bem como finalista do Prêmio Pulitzer e vencedora do Emmy.

O Dr. Narváez destacou a relevância e a necessidade desses espaços de formação “que fortaleçam o trabalho jornalístico para continuar informando adequadamente a população e as autoridades sobre o impacto da dor crônica e a necessidade de trabalhar em conjunto para o bem-estar da sociedade”, finalizou o especialista.

A Dra. Lin Tchia Yeng, médica fisiatra do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP), coordenadora do Curso Interdisciplinar de Dor da USP, foi palestrante no Congresso da FEDELAT. A especialista reforça que “a dor crônica  impacta de modo bastante significativo na funcionalidade, no bem-estar, no sono, no psiquismo e na qualidade de vida do paciente. É o que mais afasta as pessoas do trabalho, mas ainda é pouco estudada nas universidades de saúde no mundo todo. Portanto, é fundamental haver uma discussão ampla da fisiopatologia das dores agudas e crônicas, realizar o diagnóstico clínico precoce e adequado das causas e implementar os tratamentos corretos, multimodais e multi ou interdisciplinares, para se prevenir sua cronificação”.

Sobre a Grünenthal

A Grünenthal, líder mundial na abordagem ao tratamento da dor e doenças associadas2, é uma empresa farmacêutica familiar independente, dedicada à ciência e investigação, que conta com uma longa história na disponibilização de tratamentos inovadores para a gestão da dor e de tecnologias de ponta para os pacientes. Com o propósito de melhorar vidas, está comprometida com a inovação e foca toda a sua atividade e esforços para alcançar a visão de um mundo sem dor.

Com sede em Aachen, na Alemanha, a Grünenthal está presente em 29 países, com filiais na Europa, América Latina e Estados Unidos. Seus produtos são vendidos em mais de 100 países e a empresa conta com cerca de 4.500 colaboradores em todo o mundo. Em 2021, a Grünenthal faturou cerca de 1,5 bilhão de euros.

Mais informações em: https://www.latam.grunenthal.com/

Siga-nos no

LinkedIn: Grunenthal Group

Instagram: grunenthal

Referências

1 de Souza JB, et al. Pain Res Manag. 2017:20174643830 (v0.1)

2 O ranking é baseado nas vendas da corporação (EURO acc. IQVIA fixo – Status 4º trimestre de 2018) na área dos principais analgésicos com ação central, ou seja, Buprenorfina, fentanila, hidromorfona, hidrocodona, morfina, oxicodona, petidina, tapentadol, codeína, dextropropoxifeno, di-hidrocodeina, tilidina, tramadol.

M-N/A-BR-08-22-0008 – Agosto/2022 – Material destinado a colaboradores da GRT (Conteúdo destinado ao público em geral)