São Ludgero trabalhando forte no combate ao mosquito Aedes Aegypti

Palestras nas escolas, faixas, distribuição de folders, cartazes, outdoor, e orientações junto aos motoristas com entrega de panfletos são algumas das ações realizadas em São Ludgero através da equipe da Vigilância Epidemiológica junto à comunidade no combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor das doenças Dengue, Zika e Chikungunya. O pedido é para que as pessoas não deixe água parada em recipientes nas residências, áreas industriais ou estabelecimentos comerciais.

A equipe em São Ludgero também aderiu a Semana Nacional de Combate ao Aedes, período de 18 a 23 de novembro, e as ações continuam. Nos últimos anos trabalhos preventivos tem se intensificado na cidade e, atualmente, são 62 armadilhas instaladas em pontos estratégicos. As Agentes de Combate a Endemias, Jéssica Pignatel e Aline Dutra, explicam que o combate ao mosquito vai além das ações do setor público. “É preciso que as pessoas adotem cuidados básicos em residências e empresas para que não exista acúmulo de água parada. Somente com a participação de todos, governo e população, é possível manter o mosquito longe e é justamente essa foi a proposta da semana nacional de mobilização, ou seja, mostrar que a união de todos fará com que exista a diminuição da proliferação, não dando chance para o mosquito nascer”, declara Jéssica. Durante o ano, entre os meses de novembro a maio, é considerado o período epidêmico para as doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, diante do calor e as chuvas que são condições ideais para a proliferação. “Por isso o verão é o período que requer maior atenção e intensificação dos esforços para não deixar o mosquito nascer”, explica a Agente de Endemias, Aline Dutra.

Sobre as ações a Secretária de Saúde, Nilva Schlickmann Pickler, elogia e agradece o empenho da equipe da Vigilância Epidemiológica em relação ao trabalho realizado na cidade e aproveita para alertar sobre os riscos iminentes se as pessoas não participarem, preventivamente. “Em nossa cidade a informação já chegou a todos e o trabalho é quase que permanente. E, mesmo assim com informação e conscientização existem pessoas que não estão levando a sério os riscos. Uma picada do mosquito pode levar a morte de uma pessoa. O tempo dedicado às ações preventivas, que são muito simples, é pouco se comparado ao dano que pode trazer”, alerta a secretária.

A equipe da Vigilância Epidemiológica de São Ludgero aponta como um dos problemas no combate a proliferação do mosquito os recipientes que são jogados em terrenos baldios.    

Crédito de Foto: Arquivo Vigilância Epidemiológica São Ludgero

Bertoldo Kirchner Weber – Assessor de Comunicação de São Ludgero

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Luau é encerrado pela PM em Balneário Campo Bom

Um luau foi encerrado pela Polícia Militar na noite dessa sexta-feira (25), em Balneário Campo Bom, na cidade de Jaguaruna. Os militares lavraram 20...

IMBITUBA | Governador inaugura pera ferroviária no Porto para facilitar acesso de trens

Vai ficar mais fácil, seguro e rápido para os trens carregados com contêineres entrarem e saírem do Porto de Imbituba. Está concluída a chamada...

Casal é preso na Zona Leste acusado de agredir filha de seis meses

Agentes da Polícia Militar prenderam um casal no Jardim Dona Sinhá, Zona Leste da capital, acusado de agredir um bebê de seis meses. O caso ocorreu na quinta-feira (24). De...

Abertas as inscrições para pedido da renda emergencial da Lei Aldir Blanc em Lauro Müller

Trabalhadores da área da cultura que foram afetados pela pandemia da Covid-19, em Lauro Müller, já podem se inscrever para solicitar a renda emergencial...