SANTA ROSA DE LIMA | ​Delivery de cestas de produtos orgânicos vira alternativa econômica para empreendimentos do agroturismo

Com a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, um dos setores econômicos mais atingidos em Santa Rosa de Lima foi o do turismo. A cidade, que detém o título de Capital Catarinense de Agroecologia e é destaque nacional no agroturismo, teve suas pousadas e outros empreendimentos impossibilitados de receberem turistas, comprometendo, assim, a renda de muitas famílias.

Mas, como se costuma afirmar, momentos de crise podem ser também momentos de oportunidades. Foi assim que um grupo de filiados à associação de agroturismo Acolhida na Colônia, de uma forma criativa e cooperada, buscou amenizar o impacto da crise e, em vez de recepcionar os visitantes para apreciarem a gastronomia colonial, resolveram levar um poucos dos sabores locais até os turistas. A solução surgiu por meio de entrega a domicílio (o já conhecido delivery) de cestas com alimentos orgânicos especiais, inovação que tem contribuído muito para garantir os sustento de famílias agricultoras que operam o turismo na Região das Encostas da Serra Geral.

“A ideia surgiu durante uma reunião online entre associados da Acolhida na Colônia. O turismo que costumamos oferecer é um turismo diferenciado. É comum os turistas, quando voltam para casa, levarem algum item alimentício produzido por nós. Então, por conta da quarentena, pensamos: já que os turistas não podem vir até nós, podemos levar um pouco dos nossos atrativos até eles”, conta Leandro Assing, da pousada Chalés Assing, um dos encarregados de organizar a montagem das cestas.

Os produtos são variados, mas possuem alguns aspectos em comum importantes: são todos orgânicos certificados, oriundos exclusivamente da agricultura familiar. São geleias, pães, bolachas, banha, açúcar demerara, melado e outros.

“Os itens das cestas variam conforme e disponibilidade. Os clientes são basicamente da região da Grande Florianópolis, por conta da logística e por ser onde há a maior demanda”, explica Leandro. “Nós, e outros associados à Acolhida na Colônia de Santa Rosa de Lima e de Anitápolis, elaboramos a cada 15 dias uma lista com os produtos disponíveis para a cesta e divulgamos aos nossos potenciais clientes. Para facilitar a entrega e garantir nossa lucratividade aliada a um bom preço para o consumidor, solicitamos aos clientes que formem grupos para fecharmos um pedido pelo valor mínimo de R$ 500,00. As cestas desse pedido são, então, entregues no endereço de um responsável por esse grupo”, completa.

Molho de pimenta

Um dos itens que costuma fazer parte das cestas tem se tornado um case de sucesso. Trata-se do Molho de Pimenta da Bibi, criado a partir da receita da irmã de Leandro, Leonize Assing, a Bibi, e de sua amiga Andréa Castelo Branco.

“É um produto inovador, pois não é tradicional da região, portanto pouco explorado. Minha irmã Leonize e a Andréa tiveram a ideia de criar algo diferenciado, e tem dado muito certo. Está sendo um grande sucesso”, comenta Leandro.

O Molho da Bibi, além da pimenta, possui outros ingredientes que têm como finalidade realçar o sabor e reduzir sua ardência. “É realmente incrível como tudo fica mais gostoso com o molho de pimenta. Eu, por exemplo, pouco conhecia a pimenta. Agora, se possível, coloco o molho até no pão do café da manhã”, brinca o irmão da Bibi.

André Bianchini – Departamento de Comunicação da Prefeitura de Santa Rosa de Lima

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FLORIANÓPOLIS | SHRBS contesta anúncio do cancelamento do Réveillon oficial da capital

Um evento que divulga a cidade, além de atrair um enorme público durante o auge da temporada, o Réveillon oficial de Florianópolis não deveria...

AGRONEGÓCIO | Fruticultores recebem assistência técnica e gerencial para ampliar produtividade em SC

"Programa do Senar atende 180 produtores do Sul, Planalto Norte e Meio Oeste. Cultivo de pera, banana, uva, maçã, maracujá e pitaya são destaques...

Ginecologista de Florianópolis é condenado por crimes de violação sexual mediante fraude contra paciente

Vítimas sofreram abusos durante consultas de rotina. MPSC recorreu da condenação a oito anos de prisão em regime semiaberto. Um médico ginecologista, denunciado pelo Ministério...

Empresas podem destinar até 4% do imposto devido a projetos culturais

"Segunda live da série que o Fundo Social da FIESC realiza até novembro detalha como parte do imposto de renda devido por empresas pode...