Santa Catarina : Governo do Estado define data para início da vacinação de professores

O governador Carlos Moisés anunciou nesta segunda-feira, 17, que a vacinação dos profissionais de Educação contra a Covid-19 em Santa Catarina irá iniciar em 31 de maio. De acordo com o levantamento inédito feito pelo Governo do Estado e os municípios catarinenses, cerca de 176 mil professores e demais profissionais das instituições de ensino Básico e Superior poderão ser imunizados.

“Nós entendemos a importância dos profissionais de Educação e por isso vamos garantir a inclusão desses servidores nos grupos prioritários para a vacinação. As doses serão garantidas e vamos trabalhar em parceria com as prefeituras para assegurar a imunização”, afirmou Carlos Moisés. De acordo com o governador, a iniciativa é um reconhecimento ao esforço dos professores para manter o ensino e o ano letivo em dia, mesmo durante a pandemia.

O secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, afirma que a vacinação dos profissionais da educação será importante para dar continuidade às aulas presenciais, que começaram no dia 18 de fevereiro na rede estadual. “Sempre defendemos que era necessário priorizar a vacinação dos educadores, então esse é um momento muito importante para a categoria. Temos um planejamento que iniciou com o plano de vacinação, divulgado em abril, o cadastro de todos os profissionais da educação em um levantamento inédito, realizado em maio, e agora poderemos começar a imunizar a categoria até o fim do mês”, destacou o secretário.

 

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, afirma que o Governo do Estado trabalhou para garantir também a vacinação dos profissionais de educação e assim dar mais um passo importante na imunização dos catarinenses contra a Covid-19. “O Governo do Estado entende a necessidade de se imunizar os profissionais da educação, especialmente os professores que estão nas salas de aula. É um passo importante, mas o atual estágio da pandemia ainda torna necessário que todos mantenhamos a etiqueta e o respeito aos protocolos sanitários”, diz o secretário.

 

A aplicação de doses nesses profissionais vai ocorrer em uma estratégia de vacinação integrada contra a Gripe e contra a Covid-19, que prevê que os trabalhadores da educação pública e privada de Santa Catarina sejam vacinados, em um primeiro momento, com a vacina da Gripe e, em segundo momento, com a vacina contra a Covid-19, respeitando o intervalo de aplicação entre as doses que é de, no mínimo, 14 dias.

Critérios do Plano de Vacinação

O primeiro grupo de prioridade na vacinação leva em conta os profissionais que atuam no modelo presencial, considerando que estão mais suscetíveis ao contágio do vírus. Dentro deste grupo, serão vacinados inicialmente os profissionais da Educação Especial, que atuam com crianças que têm maior dificuldade de seguir os regramentos sanitários, principalmente o uso de máscaras e o distanciamento social. Para atender este primeiro grupo, serão necessárias cerca de 5 mil doses.

O cadastro da categoria, feito no início de maio, foi elaborado em conjunto com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Federação Catarinense de Municípios (Fecam), o Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina (Sinepe), as secretarias municipais de Educação e as associações de municípios.

Documentos comprobatórios que deverão ser entregues no ato da vacinação:

-Documento com foto

-CPF ou Cartão do SUS

-Contracheque

-Documento comprobatório da área de atuação emitido pelo Gestor da instituição

Vacinação contra a Gripe

Desde o dia 11 de maio, professores de ensino básico e superior em instituições das redes pública e privada podem tomar a vacina contra a gripe nas unidades de saúde mais próximas. A SES em conjunto com sua Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) e a Secretaria de Estado da Educação (SED) recomendam que a aplicação seja feita o quanto antes, uma vez que será necessário tomar a vacina contra a Gripe antes da vacina contra a Covid-19, além de respeitar o intervalo mínimo de 14 dias entre a aplicação das duas vacinas.

Gabriel Duwe de Lima: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Educação – SED

ÚLTIMAS NOTÍCIAS