SANTA CATARINA | Delatora na Operação Alcatraz diz que ex-governadores recebiam ‘mesadas’

A advogada Michelle Guerra, sócia do ex-secretário adjunto de Administração do Estado, Nelson Nappi, relatou que aos procuradores da Operação Alcatraz em delação premiada que Nappi teria entregue uma espécie de mesada para ex-governadores e seus assessores.

Na denúncia oferecida à Justiça, os procuradores narram trecho do depoimento de Michelle, onde são relacionados os nomes de Pinho Moreira (MDB) e Raimundo Colombo (PSD).

Os detalhes estão na segunda denúncia apresentada contra o presidente da Alesc, deputado Julio Garcia (PSD), que aponta suspeitas de corrupção, peculato e fraude em licitação e contrato subsequente. Na primeira denúncia, o deputado e familiares são acusados de lavagem de dinheiro.

Michelle era sócia de Nappi no escritório de advocacia que, segundo relatou aos investigadores, serviria para esquentar dinheiro desviado de contratos públicos e pagos a eles em forma de ‘honorários advocatícios’.

Em uma ocasião, questionado por Michelle sobre o destino dos valores, o ex-secretário afirmou que eram “mesadas” a Raimundo Colombo, Eduardo Pinho Moreira e Júlio Garcia.

Colombo e Pinho Moreira não foram denunciados pelo MPF, no entanto, os procuradores afirmam à Justiça Federal que a Operação Alcatraz ainda está em andamento. “A não imputação de crimes conexos, neste momento, não importa no arquivamento implícito desses crimes em face dos ora denunciados ou de outros indiciados e investigados, que serão objeto de imputação em denúncia específica, conforme o caso, em momento oportuno, com o avançar das investigações”, diz um trecho da denúncia mais recente.

Raimundo Colombo foi governador entre 2011 e 2018, quando renunciou para concorrer, sem sucesso, ao cargo de senador. O então vice, Eduardo Pinho Moreira, assumiu a chefia do Executivo até o fim do ano.

O que diz Colombo

Em nota, o ex-governador Raimundo Colombo disse lamentar “que o Brasil, infelizmente, tenha virado um campo onde a honra, a dignidade e a história das pessoas sejam atingidas de forma irresponsável”.

“Não sei do que se trata, não conheço essa pessoa e nem o processo”, afirmou o ex-governador.

Colombo lembra o que passou em razão de outras delações sem provas e destaca que acabou absolvido em todos os processos. “Tenho mais de 40 anos de vida pública e mereço respeito”.

A reportagem não conseguiu contato com o ex-governador Pinho Moreira até o momento.

* Com informações da Coluna Pelo Estado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Com lojas fechadas por 26 dias em meio à pandemia, varejo de Criciúma precisou de reinventar

"Presidente da CDL, Andréa Salvalággio, compartilhou aprendizados no Alfa Talk desta semana". Desaprender para reaprender. A máxima de muitos setores durante a pandemia não foi...

Importações de soja não vão diminuir preços

“As importações de soja irão aumentar o volume disponível, mas não diminuir os preços”, na visão dos analistas da Consultoria TF Agroeconômica. Na última...

Forquilhinha recebe o certificado TOP 100 Destinos Sustentáveis da Green Destination

A certificação TOP 100 Sustainable Destinations 2020 (TOP 100 Destinos Sustentáveis 2020) foi entregue ao município de Forquilhinha pela fundação Green Destination. Nove cidades...

FLORIANÓPOLIS | SHRBS contesta anúncio do cancelamento do Réveillon oficial da capital

Um evento que divulga a cidade, além de atrair um enorme público durante o auge da temporada, o Réveillon oficial de Florianópolis não deveria...