InícioNotíciasRS: foco de influenza aviária é registrado em ave silvestre

RS: foco de influenza aviária é registrado em ave silvestre

A Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) confirmou nesta sexta-feira,13, a detecção de um foco de Influenza Aviária de Alta Patogenicidade (H5N1) em uma ave silvestre na Praia do Mar Grosso, em São José do Norte.

Conforme divulgou a Secretaria de Agricultura do estado, este é o quarto caso no Rio Grande do Sul, incluindo os três focos em mamíferos aquáticos (Rio Grande, Santa Vitória do Palmar e Torres). No entanto, a notificação não altera a condição sanitária do Estado e do país, e não há risco para o consumo de carnes e ovos.

O vírus foi identificado em um Trinta-Réis-Real, e a notificação foi realizada na terça-feira (10/10) pelo Serviço Veterinário Oficial (SVO-RS). A amostra coletada foi enviada para o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de Campinas (LFDA-SP), unidade referência da Organização Mundial da Saúde Animal (OMSA). O Rio Grande do Sul já registrou um foco de influenza aviária em aves silvestres em maio, mas foi encerrado após evidências epidemiológicas e coletas negativas.

Veja também: Itaberaí é o segundo maior produtor de aves do Brasil

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal (DDA), Rosane Collares, com a confirmação do caso, as equipes da Secretaria da Agricultura vão atuar na vigilância ativa, monitorando o raio de três quilômetros do foco, conforme recomenda os protocolos de segurança do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). “Nossas equipes estão engajadas para evitar a disseminação do vírus, principalmente para que não chegue nas aves de subsistência e na avicultura comercial. Fiscais e técnicos estaduais agropecuários farão visitas às propriedades rurais, toda a parte de educação sanitária, levando orientações à população da área e sensibilização para a notificação de suspeitas. Um trabalho igual ao que já foi desenvolvido na Reserva do Taim”, ressalta Rosane.

Até o momento, foram registrados 311 animais mortos ou doentes, incluindo mamíferos aquáticos e aves silvestres, nos municípios de Imbé, Mostardas, Palmares do Sul, Pelotas, Pinhal, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, São José do Norte, Tavares e Torres. Seguindo a orientação do Mapa, a coleta de leões-marinhos, lobos-marinhos e trinta-réis-real encontrados não será mais realizada, a menos que uma nova espécie de animal apresente sintomas de influenza.

As equipes do SVO-RS, Centro de Estudos Costeiros Limnológicos e Marinhos (Ceclimar/UFRGS), Centro de Recuperação de Animais Marinhos (Cram), Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Patrulha Ambiental (Patram) da Brigada Militar, Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema) e Laboratório de Ecologia e Conservação da Megafauna Marinha (Ecomega/Furg) estão colaborando de maneira integrada no monitoramento de todo o litoral do Estado.

A influenza aviária, também chamada de gripe aviária, é uma doença viral altamente contagiosa que afeta principalmente aves, mas também pode infectar mamíferos, cães, gatos, outros animais e seres humanos.

Qualquer suspeita de influenza aviária, que envolva sinais respiratórios, neurológicos ou mortalidade elevada e repentina em animais, deve ser relatada imediatamente à Secretaria da Agricultura por meio da Inspetoria de Defesa Agropecuária mais próxima ou pelo Whatsapp (51) 98445-2033.

Por: AGROLINK –Seane Lennon