Região Carbonífera | Volta ao “Risco Potencial Grave” da Covid-19

De acordo com a nova Matriz de Risco Potencial para a Covid-19, a Região Carbonífera sai do risco Alto e volta para o risco Grave (cor laranja no mapa). A divulgação foi feita nesta quarta-feira (11) pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina.

Pela nova classificação, três regiões foram classificadas com o Risco Gravíssimo (cor vermelha), doze com o risco Grave (cor laranja) e apenas uma com o risco Alto (cor Amarela).

Os dados levantados nesta semana indicam que as regiões da Grande Florianópolis, Xanxerê e Meio Oeste foram classificadas com o maior risco potencial, o gravíssimo. Apenas a região do Extremo Oeste foi classificada com o Risco Alto. Todas as demais permanecem com o risco Grave para a proliferação do novo coronavírus.

A Grande Florianópolis abrange 22 municípios e a classificação afeta aproximadamente 1 milhão e 200 mil pessoas. Desde o último dia 15 de setembro, Santa Catarina não possuía região em estado gravíssimo e, pela segunda semana consecutiva mantém uma região com essa classificação.

Mesmo na cor laranja, a matriz mostrou que as regiões do Oeste, Planalto Norte e Laguna obtiveram pontuação muito próxima do nível gravíssimo.

Colaboração: Fabrício Escandiuzzi / Comunicação Secretaria de Estado da Saúde

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Alta de casos da covid faz Paraná adotar toque de recolher à noite; medida funciona?

O governo do Paraná impôs toque de recolher noturno na região leste do Estado em resposta à escalada de casos de covid-19 que sobrecarrega...

Oito equipes vencem o Inova Senai 2020

Com propostas de soluções para demandas reais da sociedade e da indústria brasileira, estudantes do Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAI) desenvolvem projetos inovadores ao...

Lei Aldir Blanc: comissão discute terceiro edital

A comissão responsável pelos recursos da Lei Aldir Blanc se reuniu essa semana para discutir as regras do terceiro edital, que trata da produção...

Mais de 20% das crianças estudam em escolas sem saneamento básico

Mais de 20% das crianças matriculadas em creches ou em pré-escolas do Brasil estudam em instituições de ensino sem saneamento básico. O pior cenário...