Redução nas gratificações de difícil acesso pode inviabilizar escolas agrícolas

As escolas públicas estaduais consideradas como do campo irão sofrer um forte impacto a partir deste mês de maio com a implementação de parte das mudanças do novo plano de carreira do magistério. Muitos professores terão reduzidas as suas gratificações de difícil acesso, agora chamada de “Local de Exercício”. Atualmente o Estado possui 520 escolas consideradas do campo por desenvolverem atividades mais focadas à educação rural. Levantamento realizado pelo Dieese revela que 85% destas instituições de ensino receberão menos do que a metade do valor máximo desta gratificação.

De acordo com o presidente da Associação Gaúcha de Professores Técnicos de Ensino Agrícola (Agptea), Fritz Roloff, uma das principais consequências desta redução drástica do difícil acesso para os professores das escolas agrícolas será a inviabilidade de muitos docentes atenderem os alunos em locais que não têm acesso por ônibus ou transporte escolar por ficaram muito distantes das cidades. “Infelizmente, as escolas agrícolas não são consideradas como do campo, apesar de desenvolverem atividades focadas à educação rural. É uma grande incoerência, pois entendemos que elas são o grande difusor de tecnologia do campo”, destaca.

Roloff afirma que há uma total desconstrução da proposta pedagógica do campo. Para o dirigente, não existe nenhuma preocupação em manter as pessoas no meio rural. “Já está provado ao longo dos anos que a escola é fundamental para manter a família no campo. Ela é um centro que congrega não somente o ensino, mas também a comunidade. São nestes espaços que se realizam as reuniões, planejamentos, cursos para as mães ou até atividades que contribuam para a melhoria da qualidade de vida”, explica.

As escolas técnicas agrícolas possuem laboratórios vivos que precisam ser atendidos todos os dias. Muitos professores, além das aulas, realizam plantões para atender os diversos setores agropecuários de aprendizagem dentro dos colégios. Roloff salienta que são eles que abraçam as atividades juntos aos animais, em cima de máquinas para plantar e colher, ou seja, “realizam todo o acompanhamento que uma lavoura ou criação precisa receber”.  Portanto, ressalta o presidente da Agptea, o Estado não reconhece a diversidade de atividades que estas escolas têm.

Roloff lembra ainda a retirada da insalubridade que tinha sido conquistada justamente para aqueles professores que não tem funcionários nas Unidades Educativas de Produção (UEPs). Mas, acrescenta, que mesmo com toda a questão da pandemia do Coronavírus (Covid-19), a Associação está se articulando e organizando estratégias na busca de soluções. “O Estado, enquanto poder público, precisa retomar uma linha de apoio e mostrar que realmente quer uma educação de qualidade ou estará jogando fora todo um projeto político pedagógico”, conclui.

Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Perícia médica do INSS: aos poucos, atendimentos retomam as atividades

A reabertura das agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), realizada no último dia 14 após quase 6 meses de atendimento restrito, causou...

Nova Veneza com 602 curados zera casos ativos da covid-19

O boletim epidemiológico distribuído pela Secretaria de Saúde de Nova Veneza no fim da tarde deste sábado, 26, confirmou uma boa notícia sobre a...

Milionária Mensal de R$ 1.350.000,00 é de Orleans

A Lotérica Orleans está em festa, desta vez a casa trouxe sorte para um Orleanense que faturou o primeiro da Loteria Federal 5500, Milionária...

Empresas catarinenses poderão doar parte do ICMS para projetos aprovados pela FCC

Já está em vigor o decreto que cria a Lei do Mecenato em Santa Catarina. Com a medida, empresas catarinenses poderão doar parte do...