Para volta às aulas, ministro da Educação pede que avaliação dos pais seja a principal

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, declarou nesta sexta-feira, 28, que os pais devem ser os principais ouvidos pelos governos e prefeituras na consideração de quando devem ser retomadas as aulas presenciais durante a pandemia de covid-19.

“Eu acho que o retorno às aulas depende, naturalmente, do gestor regional. Também, e sobretudo, da opinião dos pais quando se trata de criança”, disse durante transmissão ao vivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES).

Ele afirmou que, sobre a educação básica, o Ministério da Educação (MEC) só pode contribuir com aconselhamentos e não tem poder decisão sobre prefeituras e governos estaduais. O ministro acrescentou também que cada região do Brasil vive uma situação diferente frente ao surto do novo coronavírus, então não é possível uniformizar a decisão.

Quando perguntado se o ensino a distância poderia durar até o final do ano que vem, Ribeiro disse que esperava uma volta ao ensino presencial ou semipresencial mais cedo. “Acho que nós vamos ter condição, e aqui invoco a ajuda de Deus, que Deus nos dê uma abertura e uma solução para que o mais tarde aí, no início de 2021, as coisas voltem a uma certa normalidade”, declarou ao destacar que era uma avaliação pessoal, “fora da cadeira de ministro”.

Reportagem: Mílibi Arruda/O Estadão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS