‘Para nós, pouco importa de onde vem a vacina’, diz presidente da Anvisa

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra, disse nesta 4ª feira (21.out.2020) que a agência reguladora se manterá “fora da discussão política” e que está empenhada em dar respostas à população brasileira sobre a vacina o quanto antes.

“Para nós, pouco importa de onde vem a vacina ou qual é o seu país de origem. O nosso dever constitucional é fornecer a resposta de que esses produtos têm ou não a eficácia”, disse Barra. O diretor-presidente afirmou ainda que é dever da Anvisa a dedicação integral ao trabalho técnico e científico.

Ele respondeu às perguntas dos jornalistas sobre a vacina que está sendo produzida no Instituto Butantan, que é de origem chinesa.

De acordo com ele, o trabalho da da Anvisa visa a aferição da qualidade do produto, buscando garantir a eficácia da imunização. “A Anvisa não participa de nenhuma compra feita pelo governo federal. De nenhum medicamento ou insumo, como também as políticas públicas de saúde são da competência do Ministério da Saúde”, afirmou.

Ele se reuniu nesta 4ª feira (21.out.2020) com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na sede da agência, em Brasília. Também participaram congressistas e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. Segundo Barra, foi 1 encontro de “cortesia” e os aspectos “técnicos não foram tratados no encontro”.

De acordo com o governador João Doria, a vacina está em estágio avançado e tem efeitos colaterais mais amenos. O presidente Jair Bolsonaro disse, porém, que o governo federal não comprará a vacina. “O povo brasileiro não será cobaia de ninguém”, escreveu nas redes sociais.

Ele foi pressionado por apoiadores do governo, que são contrários à origem chinesa da vacina que será distribuída no Brasil. De acordo com Barra, o processo de protocolo não sofre “nenhuma alteração, influência ou ação de qualquer outra situação que não a ciência e o apego à boa técnica”.

A diretora Alessandra Soares, do setor de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, disse que não há diferenças no tratamento dos diferentes estudos vacinais. “Todos os estudos que foram protocolados e que foram solicitados a anuência na Anvisa cumprem rigorosamente o mesmo tramite. Obviamente que os tempos são distintos em função do período da solicitação”, afirmou.

Na 2ª feira (19.out.2020), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que a vacina chinesa foi testada em 9.000 voluntários com de 18 a 59 anos no país. Os testes mostraram que 35% tiveram reações adversas leves depois da aplicação, como dor de cabeça ou dor no local da aplicação. Nenhum efeito colateral grave foi registrado durante a testagem.

O diretor-presidente afirmou que os números não foram apresentados à agência. No processo de testes, a Anvisa não faz diferenciação de fases para os testes da vacina, segundo Barra. “É 1 processo contínuo. Já teve o seu início e será concluído, mas não temos o estágio fase 1, fase 2, fase 3 ou fase 4. Isso não existe para nós”, disse.

DATAS PARA AS VACINAS
Antônio Barra declarou que a agência não trabalha ou se compromete com datas para a viabilidade de qualquer vacina. Há 4 estudos em análise no país.

“Entendemos a angústia e a ansiedade e temos também a pressa, mas ela não será atrelada previamente a nenhuma data. O que temos dito desde o início é que lançaremos mão do menor e do melhor tempo, mas não temos a menor pretensão de identificar uma data”, disse o diretor-presidente da Anvisa.

VACINA DE OXFORD
Barra prestou solidariedade à família do brasileiro voluntário que morreu depois de tomar a vacina de Oxford. “É um momento muito difícil, muito delicado. E, portanto, nos solidarizamos com a família”, disse.

De acordo com ele, há 1 protocolo para o desenvolvimento vacinal entre os signatários está prevista uma confidencialidade ética em relação a tudo que envolve os voluntários participantes de testes. “Daí, a escassez, pelo menos neste momento, de maiores detalhes”, disse.

A Anvisa foi notificada do caso na última 2ª feira (19.out.2020) pelo comitê internacional independente. O comitê também autorizou a possibilidade de prosseguimento dos estudos, diferentemente do que foi decidido no último episódio de efeitos colaterais. “Permanece neste momento em contínua análise e, no momento, os testes prosseguem”, disse Barra.

Reportagem: Hamilton Ferrari/Poder 360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

IÇARA | Hospital São Donato registra 17 leitos ocupados; dez são de UTI

Na sexta-feira, o Hospital São Donato, de Içara, registra 17 leitos ocupados para tratamento de coronavírus ou suspeita de contaminação, são dois a mais com...

Fiocruz prevê vacinar 65 milhões no 1º semestre de 2021

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aumentou a expectativa de vacinação dos brasileiros contra o coronavírus após o anúncio de eficácia divulgado pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford....

Papai Noel dos Correios vai contemplar 220 crianças dos Cras de Criciúma

Lápis, papéis e cores. É por meio disso que 220 crianças, com até 11 anos, confeccionaram suas cartas, demonstrando os seus desejos para o...

MEC pretende elaborar uma Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor Escolar

Com objetivo de elaborar uma Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor Escolar, que vai servir para orientar as redes de ensino a empreender...