Pandemia deixa Praça da Liberdade irreconhecível na véspera de Natal

Praça da Liberdade, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, sempre foi um tradicional ponto de encontro na capital mineira. Em noites como a desta quinta-feira (24), véspera de Natal, o local estaria cheio de visitantes. Isso se não fosse a pandemia do novo coronavírus.    A reportagem do Estado de Minas esteve na praça e encontrou pouquíssimas pessoas. Dava até para ouvir o canto dos grilhos.

Um ambiente irreconhecível e que mostra como a COVID-19 afetou a vida de todos.  Com chuva e sem a tradicional iluminação de Natal, o clima era muito diferente do que os belo-horizontinos estão acostumados a ver. O fotógrafo Pedro Renna, 35 anos, era uma das poucas pessoas na praça. Fizemos duas perguntas para ele: 1- Qual foi a sua sensação ao ver a praça vazia em um dia como o de hoje, véspera de Natal?

R: Um sentimento de reflexão, a vida, sobre nós mesmos, e o próximo. Um vazio e ao mesmo tempo gratidão por estar na luta enfrentando tantos problemas que deixam muitas perguntas. Que nos deixa apreensivos por quanto tempo vamos viver esses dias sombrios.

2- Qual o seu pedido para o Papai Noel neste duro ano de 2020? R: Saúde, amor, sabedoria, empatia, gratidão.  SITUAÇÃO EM BH AINDA PREOCUPA O índice de ocupação de leitos de UTI destinados ao tratamento da COVID-19 em Belo Horizonte teve uma leve queda nesta quinta-feira (24), mas segue no nível ‘vermelho’ de alerta, por isso a importância do isolamento social.

Reportagem: Eduardo Oliveira/Em.com.br

ÚLTIMAS NOTÍCIAS