Pandemia de 102 anos atrás tinha torcedores de máscara nos estádios

Apesar da pandemia da Covid-19 seguir assolando a maior parte do planeta – e especialmente em países como os EUA e o Brasil – aos poucos as competições esportivas estão retornando em todo o mundo, mas tendo de seguir novas e específicas medidas de segurança – incluindo os campeonatos estaduais e o próprio campeonato brasileiro de futebol, que começou na semana passada. Entre testes contínuos e outras restrições, uma diferença se faz especialmente gritante, ou melhor, silenciosa: a ausência de torcedores nos estádios. Essa não é, no entanto, a primeira vez que uma pandemia alterou a vida dos torcedores e jogadores diante de seus times, como comprova uma série de fotos reveladas recentemente – mostrando um jogo de futebol americano realizado numa universidade nos EUA durante a pandemia de gripe de 1918.

As fotos foram trazidas a público por Andy McNeil, engenheiro mecânico da universidade de Georgia Tech e tiradas por seu bisavô, Thomas Carter, na mesma universidade. Nas arquibancadas e no campo, torcedores e jogadores vestiam máscaras para a competição, em imagem até poucos meses atrás inimagináveis na perspectiva contemporânea – e que hoje, mais do que recorrente, tornou-se fundamental e necessária: ver a todos de máscara, seja onde for. A pandemia de gripe de 102 anos atrás, conhecida como Gripe Espanhola, se espalhou pelo mundo entre janeiro de 1918 e dezembro de 1920, infectando cerca de 500 milhões de pessoas e levando à morte um número estimado entre 17 e 50 milhões de pessoas.

Os jogadores adentrando o campo

Segundo consta, a universidade de Georgia Tech ainda conseguiu disputar sete partidas durante a pandemia de 1918, até as competições serem suspensas. “É uma dose de realidade”, afirmou McNeil. “Antes do coronavírus, eu não podia imaginar estar no Georgia Tech com uma máscara. Uma pandemia nunca passou pela minha cabeça. É uma realidade que a história se repete, e podemos superar isso, mas temos que fazer a coisa certa”, concluiu, lembrando da longa vida que seu bisavô viveu tendo usado máscaras, e o quanto lhe frustra hoje ver tanta gente – nos EUA como também é aqui – não usando o artefato de segurança. “Meu bisavô viveu uma vida inteira, ele conseguiu”, disse McNeil. “Espero que isso inspire as pessoas que tudo ficará bem, eventualmente.”

“Georgia Tech Grant Field [estádio da universidade] durante a epidemia (sic) de gripe de 1918” , diz a legenda escrita nas costas de uma das fotos

Kauê Vieira : Redação Hypeness

© fotos: Thomas Carter/Andy McNeil/Arquivo pessoal

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ENTREVISTA | Terapeuta e Iridólogo Felipe da Silva, fala de seus atendimentos em Orleans

O Consultório de Terapia Holística no centro comercial Zomer & Berger no centro de Orleans, tem recebido muitos clientes da cidade e de fora...

MEC publica edital para 50 mil vagas remanescentes do Fies

Está publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira, 29, o edital do processo de inscrição para cerca de 50 mil vagas remanescentes do Fundo de Financiamento...

IMBITUBA | Após denúncias, Procon fiscaliza supermercados e atacadista para coibir aumento abusivo

Em meio a pandemia do novo coronavírus e, por conta de inúmeras denúncias feitas por moradores de Imbituba, a diretoria do Procon municipal realizou,...

Presidente Bolsonaro sanciona lei que aumenta punição a maus-tratos a animais

BRASÍLIA - Em cerimônia com a presença de cachorros no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta terça-feira, 29, o projeto de lei que aumenta...