Orleans | Cubista de Orleans e de São Paulo conversam sobre suas deficiências físicas

Gustavo Galvani, de Orleans/SC, tem amelia e por isso nasceu sem os braços. Guilherme Montejane Diaz, de São Paulo/SP, sofreu paralisia cerebral devido às complicações no parto. Os dois adolescentes participaram em maio do Campeonato Brasileiro de Cubo Mágico On-Line e nesta quarta-feira, dia 24, realizaram uma live pelo Instagram. Fazendo perguntas um para o outro falaram sobre suas habilidades, dificuldades e conquistas. Os pais participaram indiretamente mediando as questões e acrescentado informações sobre suas experiências.

A mãe Rafaela Diaz participou de um vídeo publicado no canal Vem pro mundo azul que acabou comovendo a comunidade do cubo mágico. Armando Paulo da Silva, doutor em Ciência para a Educação e professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UFTPR – Campus Cornélio Procópio), promoveu uma campanha. “Nós queríamos que o canal atingisse 1000 seguidores até o dia 9 de julho, quando o Guilherme fará 14 anos. Já mudamos a meta para 2020 porque ultrapassamos bem rápido. Também enviei cubos adaptados para ele. São os mesmos que fizemos para o competidor Luiz Gustavo que tem deficiência visual”, comentou o professor.

Membros da comunidade do cubo mágico estão realizando uma campanha para aumentar o número de inscritos no canal do Guilherme (Vem para o mundo azul) e no canal do Gustavo (Gustavo Galvani). “Queremos que a associação Mundial de Cubo Mágico mude a decisão de excluir a modalidade com os pés porque meu filho tem o sonho de ser campeão mundial. Para isso precisamos nos unir e compartilhar estas histórias e quem sabe garantir a modalidade oficial para pessoas com deficiência”, comentou a mãe de Gustavo, Jucemara Galvani.

Link da Live: Live Gustavo e Guilherme

Saiba mais sobre os competidores da modalidade Pessoas com Deficiência

Gustavo Laurentino Galvani, 13 anos, Orleans/SC. É um adolescente que nasceu sem os braços e por isso aprendeu a abraçar o mundo. Uma deficiência chamada amelia, caracterizada pela ausência congênita total de um ou mais membros do corpo, o obrigou a fazer muitas atividades de forma diferente.

Ele curte jogos eletrônicos como Brawl Stars, Clash of Clans e Call of Duty Mobile. Participa de campeonatos de xadrez, faz as refeições com autonomia, escreve e joga cubo mágico. Aprendeu a resolver seis cubos e quebra-cabeças tridimensionais usados em campeonatos oficiais, como 2x2x2, 3x3x3, 4x4x4, pyraminx, skewb, square-1 e está aprendendo os algoritmos do 5x5x5.

Sua habilidade com os pés lhe garantiu uma medalha de bronze e duas de prata em campeonatos oficiais realizados pela Associação Mundial de Cubo Mágico (WCA). Em 2019, conquistou dois títulos de vice-campeão brasileiro, um de cubo mágico na modalidade com os pés e outro no xadrez na categoria sub-12. Em 2020, participou do Campeonato de Cubo Mágico On-Line, ficou em primeiro lugar na categoria com os pés e também para pessoas com deficiência resolvendo o cubo mágico com uma média de trinta e seis segundos e trinta e dois centésimos.

Guilherme Diaz Montejane, 13 anos, São Paulo/SP. Desde criança, adora atividades que para ele são radicais como jet ski, skate e corrida. Também curte esportes da mente. Sabe resolver seis cubos mágicos e quebra-cabeças tridimensionais usados em campeonatos oficiais, como 2x2x2, 3x3x3, 4x4x4, 5x5x5, pyraminx e skewb. Demorou 20 minutos e trinta e oito segundos para resolver o cubo mágico tradicional no Campeonato Brasileiro On-Line. Criou o canal “Vem pro mundo azul” no You Tube, onde mostra um pouco como supera as dificuldades encontradas por causa da paralisia cerebral. Uma das suas falas revela que ele pensa que a vida não seria legal sem desafios.

Luiz Gustavo Medeiros Soares, 15 anos, Assaí/PR. Um adolescente que toca violão, anda de bicicleta, pratica judô e atletismo. A mãe, Valdineia dos Santos Medeiros, costuma dizer que ele enxerga com os olhos de Deus desde o dia que viu o filho acertando a bola na cesta de basquete. Foi assim que, mesmo sendo totalmente cego, resolveu o cubo mágico em um minuto e trinta e dois segundos.

Natan Cardoso, 17 anos, São Paulo/SP. Nasceu prematuro pesando 610 gramas e medindo 28 centímetros. A paralisia cerebral atingiu o lado esquerdo do seu corpo. Aprendeu a montar o cubo com o irmão, Mateus Cardoso da Silva, que participava de campeonatos e buscava melhorar os tempos. No começo ele usava a mão direita para fazer os movimentos e a esquerda para dar apoio. Depois aprendeu fórmulas para fazer apenas com uma mão. O seu tempo foi uma média de 41 segundos e noventa e nove centésimos.

Ana Lúcia Pintro: Professora Matemática (Criciúma e Cocal do Sul) Acadêmica de Jornalismo (SATC)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Primeira Live do Projeto Balde Cheio no RS acontece na quarta

O projeto Balde Cheio no RS está completando um ano de atividades junto às propriedades leiteiras das regiões da Serra Gaúcha e Fronteira-Oeste do...

Grupo aposta na modernização da indústria para crescer em 2021

"Mesmo com a crise gerada pela pandemia em 2020, grupo registra crescimento e prevê uma retomada ainda maior em 2021". O Grupo Soma Sul, um...

Cegero lança Edital para Processo Seletivo. Salário ultrapassa R$ 2,8 mil

Com objetivo de preencher duas vagas de Eletricista auxiliar e formar Cadastro Reserva, a Cooperativa de Eletricidade de São Ludgero (Cegero), abrirá inscrições, gratuitamente,...

Acesse e confira seu horóscopo para hoje

LUIZ HENRIQUE (48) 99623-6232 (Whats) Presencial/Online Desenvolvimento e estudo na Arte Oracular: Tarô; Astrologia; Constelação Arquetípica; Numerologia; boaastrologia@gmail.com O CAMINHO DOS ASTROS 61 Incinera Plutão “As mídias ditas “Sociais” nos emburreceram,...