No Dia Mundial de Combate à Aids (1º/12), um alerta: casos avançam na população idosa

O 1º de Dezembro é lembrado como Dia Mundial de Combate à Aids. A data chama atenção para dados preocupantes: os casos de HIV/Aids entre idosos sobem, anualmente, no Brasil, segundo o Boletim Epidemiológico de 2018, do Ministério da Saúde. De 2007 a 2017, houve um crescimento de 103%. A população idosa feminina representa a maior parte dos casos, com um aumento de sete vezes nos diagnósticos, um total de 657% a mais no período.

A Drª Roberta Parreira, médica geriatra da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), explica que o advento dos medicamentos para disfunção erétil permitiu o retorno à vida sexual ativa para muitos idosos. “Meus pacientes conversam comigo sobre o assunto quando se sentem à vontade. E dizem que veem o sexo como uma necessidade de vida, algo agradável. Ainda que nesta etapa da vida, por exemplo, homens e mulheres tenham condições físicas e biológicas particulares”, diz.

No entanto, diante do aumento de infecções pelo vírus da Aids na população idosa,  é importante que os profissionais de saúde peçam teste de sorologia e auxiliem no cuidado e na prevenção, aconselha a Drª Roberta. “Quando se investiga demências, por exemplo, destacar Aids e sífilis é parte do protocolo. As ditas comorbidades precisam ser verificadas até para saber de possíveis interações medicamentosas”, complementa.

Tendência local e mundial

Apenas em São Paulo, maior cidade do Brasil, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde, no último ano, os idosos foram os únicos entre a população adulta que tiveram crescimento nas infecções pelo HIV/Aids. Enquanto a taxa de novas infecções no geral diminui no município para perto de 18%, entre 2017 e 2018, na população idosa, os casos cresceram 15% no mesmo período.

O crescimento dos casos de HIV/Aids entre idosos no Brasil acompanha uma tendência mundial. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), se prosseguir nesse ritmo de infecções nessa faixa etária, em 2030, 70% da população do mundo com 60 anos ou mais poderá ter o diagnóstico positivo para o vírus da Aids.

“Precisamos de campanhas de prevenção e políticas de saúde voltadas a essa população e outros grupos entre os quais os casos de HIV estão crescendo”, conclui a Drª Roberta, que também é mestre em Epidemiologia, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Sobre a SBGG

Fundada em 16 de maio de 1961, a SBGG é uma associação civil sem fins lucrativos que tem como principal objetivo congregar médicos e outros profissionais de nível superior que se interessem pela Geriatria e Gerontologia, estimulando e apoiando o desenvolvimento e a divulgação do conhecimento científico na área do envelhecimento. Além disso, visa promover o aprimoramento e a capacitação permanente dos seus associados.

RS Press – Vinícius Lima – viniciuslima@rspress.com.br

Imagem meramente ilustrativa

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Dez mil voluntários serão testados contra a Covid-19 em nova fase

A vacina para combater a Covid-19 que possui os testes mais avançados no mundo, segundo o Ministério da Saúde, é a Oxford-Astrazeneca, que também...

Boletim Covid-19 do hospital São Donato de Içara

O Hospital São Donato tem 10 leitos ocupados para tratamento de coronavírus ou suspeita: LEITOS OCUPADOS NA UTI: 5 - CASOS CONFIRMADOS (5) - CASOS SUSPEITOS (0) LEITOS OCUPADOS NA CLÍNICA:...

TST aprova reajuste e determina o fim da greve dos Correios

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta segunda-feira, 21, que os funcionários dos Correios devem receber um reajuste de 2,6% e retomar as atividades a partir desta...

Crianças recebem computador por empréstimo para assistir aulas on-line

O Colégio SESC está promovendo uma ação cidadã para possibilitar que seus alunos que não possuem computador em casa assistam às aulas on-line e participem dos encontros realizados...