Mundo | UE fecha acordo para comprar 300 milhões de doses de vacina contra covid-19

A Comissão Europeia anunciou nesta 4ª feira (11.nov.2020) 1 acordo para adquirir até 300 milhões de doses da vacina contra a covid-19, produzida pelo laboratório Pfizer. Segundo a entidade, os países do bloco terão prioridade para adquirir o imunizante. O valor da negociação não foi divulgado.

A vacina da Pfizer é uma das muitas que estão em fase de testes pelo mundo. O Brasil também faz parte da pesquisa, mas o país ainda não tem acordo com o laboratório para adquirir doses.

De acordo com a Comissão Europeia, o acordo prevê a entrega de 200 milhões de doses num 1º momento, com a possibilidade de serem adquiridas outras 100 milhões de doses. O bloco também já tem acordos de fornecimento de vacinas com os laboratórios AstraZeneca, Sanofi-GSK e Janssen Pharmaceutica NV, além de negociar com as empresas CureVac e Moderna.

As compras devem garantir doses suficientes para quase toda a população da União Europeia, estimada em 446 milhões de pessoas. A comissária para Saúde e Segurança Alimentar da União Europeia, Stella Kyriakides lembrou que o bloco tem uma estratégia única para adquirir as vacinas.

“Uma vacina segura e eficaz é a única saída estratégica da pandemia e é o centro da nossa estratégia europeia de vacinas. O acordo anunciado hoje segue as primeiras indicações de resultados dos testes clínicos e é a principal evidência de de compromisso de trazer mais saúde à Europa. É um claro exemplo do que a UE pode alcançar ao trabalhar junta, como uma união, e um exemplo de caso do que a União Europeia pela Saúde pode entregar”, afirmou.

Vacina da Pfizer

A empresa de biotecnologia alemã BioNTech, que desenvolve vacina contra covid-19 em parceria com a farmacêutica Pfizer, espera que a imunização dure por 1 ano. Na 2ª feira (9.nov.2020), as duas empresas anunciaram que o imunizante tem eficácia de 90%.

Ugur Sahin, cofundador e executivo-chefe da BioNTech, disse à agência Reuters que pesquisas com pacientes recuperados mostraram que o nível de anticorpos não caiu com o passar dos meses. Segundo ele, é provável que o mesmo aconteça com quem receber a vacina.

Reportagem: Poder 360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS