MUNDO | Nova Zelândia afirma que venceu novamente o coronavírus

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta segunda-feira o fim das restrições ordenadas em Auckland para frear a segunda onda da epidemia e declarou que seu país “venceu novamente o vírus”.

A primeira onda de coronavírus foi contida no fim de maio com um confinamento nacional. E o arquipélago registrou depois 102 dias sem contágios locais.

Mas em agosto as autoridades detectaram um novo foco da doença na maior cidade do país, o que levou o governo a ordenar um novo confinamento para 1,5 milhão de habitantes de Auckland, que durou três semanas, até o início de setembro.

Há 12 dias a cidade da Ilha Norte não registra novos casos de covid-19. Ardern afirmou que a epidemia está sob controle e elogiou os habitantes que precisaram enfrentar o novo confinamento.

“Os habitantes de Auckland e os neozelandeses se submeteram a um plano que funcionou duas vezes. E venceram o vírus novamente”, declarou a chefe de Governo trabalhista.

Um êxito muito oportuno para Ardern, pois o país organizará eleições legislativas em 17 de outubro. De acordo com as pesquisas, ela é a grande favorita para permanecer à frente do governo.

Jacinda Ardern anunciou ainda que a partir de quarta-feira à noite Auckland passará ao nivel 1 de alerta sanitário, o mesmo em vigor no restante do país.

Isto significa o fim das restrições para reuniões públicas.

Uma das consequências é que a segunda partida de rúgbi entre Nova Zelândia e Austrália, que conta para a Copa Bledisloe – competição anual entre os All Blacks e os Wallabies – poderá ser disputada em 18 de outubro no Eden Park de Auckland com a presença dos torcedores.

“É uma notícia positiva”, afirmou a Federação de Rúgbi da Nova Zelândia em um comunicado. A primeira partida será disputada em Wellington no domingo.

O arquipélago do Pacífico Sul, que tem cinco milhões de habitantes, registrou apenas 25 mortes por covid-19 e menos de 1.900 casos. Nesta segunda-feira o país tinha 40 casos ativos de coronavírus.

Mas a primeira-ministra pediu aos neozelandeses que permaneçam alertas e lamentou o uso cada vez menor do aplicativo oficial de rastreamento de covid-19, assim como a queda no número de testes.

“O retorno do vírus não é a única coisa que nos preocupa, também há um retorno da indulgência”, disse.

ns/dm/jac/ybl/erl/gm/fp/AFP

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MEC quer expandir oferta de EaD na educação superior

Com o intuito de aumentar a oferta de vagas de Educação a Distância (EaD) na educação superior, especialmente nas universidades federais, o Ministério da...

Seja mais feliz consultando seu horóscopo personalizado e exclusivo

LUIZ HENRIQUE (48) 99623-6232 (Whats) Presencial/Online Desenvolvimento e estudo na Arte Oracular: Tarô; Astrologia; Constelação Arquetípica; Numerologia; boaastrologia@gmail.com O CAMINHO DOS ASTROS 56 O Mundo Invertido “Toda transformação interior resulta em...

Familiares e vítimas da covid-19 podem pedir benefício do INSS

A pandemia da covid-19 tem causado um rastro de destruição e a morte de milhares de pessoas em todo o País. Ainda não se...

O que é a ‘defesa da honra’ e como ela legitima os feminicídios no Brasil

Para começar, é preciso que se entenda: a legítima defesa da honra não existe. O Código Penal brasileiro, em seu artigo 25, versa sobre...