MUNDO : México, Caribe e América Central querem turistas brasileiros

Mesmo antes do turismo da vacina, brasileiros embarcaram para o México ao longo de toda a pandemia. Com apelo no mercado nacional – Cancún frequenta as listas dos destinos preferidos para viagens ao exterior há anos –, o país foi um dos poucos que se mantiveram abertos para viajantes do Brasil.

Agora outros pontos da América Latina e do Caribe divulgam que – ao contrário do que ocorre em muitas partes do mundo – brasileiros são, sim, bem-vindos. O foco é atrair, além do turista convencional, quem pode trabalhar de maneira remota ou ficar no país para a quarentena antes de ir aos Estados Unidos.

Panamá, Aruba, Belize, Curaçao, Anguilla, Bahamas… A lista só aumenta. “Nas últimas três ou quatro semanas, a maioria das viagens na região era para o México. Agora, com a retomada de voos e abertura de fronteiras, Aruba e Curaçao voltaram a ter demanda”, afirma Bruno Delfini, gerente de Produtos e Operações Internacionais da BWT Operadora. “A gente até lançou pacote para Aruba a partir de US$ 1.099, com aéreo e sete noites de hotel com café e transfer.”

O destino investiu numa oferta de relançamento, com a Copa Airlines, para o mercado brasileiro. “A partir de US$ 450 ida e volta, mais taxas, será possível visitar Aruba, partindo de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte ou Brasília. A compra tem de ser até 22 de junho, mas a viagem pode ser até 31 de outubro”, diz Carlos Barbosa, representante de Aruba no Brasil.

Destinos destacam segurança

“É um destino de férias ou mesmo para home office, já que a ilha oferece boa estrutura para trabalho remoto. Mais de 90% do PIB é proveniente do turismo, por isso, o destino implementou rígidos protocolos nas atividades. Além disso, mais de 65% da população já está imunizada, o que traz ainda mais tranquilidade aos visitantes.”

Belize, na América Central, também reforça que é um destino seguro, “com uma média de apenas seis novos casos por dia, sendo que muitos dias sem registros de novos casos”, informa o Madre Travel, escritório oficial do Turismo de Belize na América Latina. “No ranking do CDC americano (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), ele está classificado com risco 1 de contaminação, o mais baixo.”

Bahamas e a pequena Anguilla, no Caribe, mantiveram sua promoção turística no Brasil na pandemia. “A ilha continuou em contato com agentes de viagem brasileiros, informando sobre o plano de contenção de Anguilla, que foi declarada covid-free pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 2020”, diz a porta-voz do Conselho de Turismo do país, Danielle Roman, presidente e CEO da Interamerican Network. “Anguilla criou o conceito de bolha, tanto para visitantes de curta como de longa duração, para que eles pudessem entrar na ilha e desfrutar de suas belezas e praticidades em um ambiente limitado e controlado, para o cuidado com todos.”

Quarentena para turismo da vacina

Os destinos estão de olho nos viajantes brasileiros (alguns até já vacinados) e não se posicionam necessariamente como um lugar para quarentena de quem busca imunização nos Estados Unidos. Mas sabem que, pela posição geográfica, são uma opção. “A prioridade das Bahamas é a saúde e o bem-estar dos nossos cidadãos e visitantes. Estamos focados na vacinação dos residentes”, diz Giovanni Grant, gerente-geral de multidestinos do Ministério de Turismo e Aviação do país. “As Bahamas, pela proximidade e imensa disponibilidade de voos, especialmente para a Flórida, são um destino privilegiado pelos brasileiros a caminho aos Estados Unidos.”

Além do mar incrivelmente claro, os destinos têm boa infraestrutura hoteleira e de serviços. México e os países da América Central costumam ter outro ponto em comum: sítios arqueológicos, com destaque para Chichén Itzá. A antiga cidade maia, declarada patrimônio mundial pela Unesco, fica a cerca de duas horas e meia de Cancún. A região da América Central e do Caribe em geral é acessada a partir de voos do Brasil pela Copa Airlines. “A Latam está com voo direto São Paulo-Cancún agora na alta temporada. Vendeu super bem”, conta o gerente da BWT.

Aeromexico também é uma opção para a região como um todo, mas especialmente para os visitantes que queiram explorar a Cidade do México, com um stopover. “Tenho muito contato com a companhia mexicana e eles estão com voos diários e ótima ocupação. É um fenômeno por conta da facilidade. São poucos os países que fazem o que o México está oferecendo.” Para entrar lá, basta preencher uma ficha de saúde.

Dos 58 hotéis da AMResorts, 38 ficam no México; a rede está presente nas costas do Pacífico e do Caribe. Comparado a 2019, o grupo já registra um crescimento de cerca de 80% no total de hóspedes brasileiros. Em destinos como Tulum, por exemplo, o aumento chegou a 2.000%.

Leonel Reyes, diretor corporativo para a América Latina da rede RCD, confirma a preferência pelo México. “Reabrimos em julho de 2020 e o número de brasileiros em 2021 está crescendo de janeiro até hoje em 20% a cada mês.” O grupo tem o maior número de quartos nos principais destinos mexicanos: 1.262 na Riveira Maia, 601 em Cancún, 639 em Los Cabos e 362 em Puerto Vallarta.

Requisitos para a entrada

No entanto, é bom estar atento às exigências para entrar em cada lugar e fazer as contas para ver quando vale ir para onde. O Panamá, por exemplo, exige um teste adicional na chegada – em conexões dentro do aeroporto, não é necessário esse exame tampouco a vacina de febre amarela, requisito para quem visita o país da América Central. Mesmo que o resultado seja positivo, o viajante tem de passar três dias de quarentena em hotel definido ou autorizado pelo governo.

Nas Bahamas, quem foi vacinado com Pfizer, Moderna, Janssen e AstraZeneca está isento de mostrar o PCR na entrada; Coronavac está fora da lista.

Para cativar o viajante brasileiro, o México foi além: a hotelaria da região de Cancún criou comodidades como o seguro covid (para casos de quarentena após contaminação) e teste feitos dentro dos hotéis. “Tem exame de antígeno em toda farmácia e tem laboratório dentro de hotel. Onde eu fiquei tinha um quarto que virou uma base para fazer exames. Eu sei que tem isso na rede Riu, na Palace Resorts, na Hard Rock e na Xcaret México. Os resorts praticamente todos têm.”

Preços de pacotes e temporada de furacões

Os preços mais baixos para a região costumam ser em setembro ou outubro, ápice da temporada de furacões, que vai de agosto a novembro. É uma loteria: os destinos podem tanto ser atingidos quanto ter sol. Os pacotes para Cancún variam bem de uma época para outra. “Tem anos em que não tem nenhum furacão em Cancún”, diz Barbosa, da Flot.

Em julho, sete noites na BWT custam na faixa de US$ 1.800; na baixa, fica em torno de US$ 1.350. Na Flot, quatro noites saem desde US$ 906,55 em outubro – em julho, a partir de US$ 1.266,82. Todos são em all inclusive e aéreo.

Para quem não quer arriscar, o gerente da BWT recomenda Aruba e Curaçao. “Estão fora da rota de furacões, uma vantagem para esses destinos no segundo semestre.”

Que exames são pedidos

Exceto no México, exames costumam estar entre as exigências dos países para a entrada de visitantes. Consulte os sites oficiais para informações na época da viagem. Atualmente, pedem:

Anguilla: PCR-RT negativo (de 3 a 5 dias antes da chegada); US$ 300 de taxa (vacinados estão isentos e, após 1º/7, a cobrança será extinta). Site: ivisitanguilla.com

Aruba: Vacina de febre amarela; PCR negativo (feito de 72 a 12 horas antes); seguro-viagem; seguro de Aruba para cobrir custos ligados à covid-19 – US$ 30 para maiores de 15 anos, US$ 10 para o restante. Site: aruba.com

Bahamas: Vacina de febre amarela; visto online de saúde; PCR-RT (feito no máximo 5 dias antes); teste de antígeno se ficar mais de 4 noites. Site: bahamas.com

Belize: Vacina de febre amarela; certificado de vacinação, PCR negativo (até 96 horas antes) ou antígeno (até 48 horas); hotel aprovado pelo país. Site: travelbelize.org

Curaçau: PCR negativo (feito até 72 horas antes do voo); teste de antígeno no terceiro dia na ilha. Site: curacao.com

Panamá: Vacina de febre amarela; PCR ou antígeno (até 48 horas antes); teste molecular (US$ 85) na chegada. Site: visitpanama.com

Reportagem: Nathalia Molina/O ESTADÃO

Erro, não existe o grupo! Verifique sua sintaxe! (ID: 4)
Erro, não existe o grupo! Verifique sua sintaxe! (ID: 5)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS