Mulheres Bonequeiras do RS debate presença feminina na arte

Arte, criatividade e animação estarão unidas no 1º Encontro das Mulheres Bonequeiras do Rio Grande do Sul. A programação terá seminários, oficinas, performances e apresentações artísticas, que acontecerão de hoje, 24 de agosto, a 1º de setembro de 2021, no município de Dois Irmãos. O evento irá reunir mulheres artistas de diferentes regiões do estado, além de representantes de culturas populares de todo o país, para debater temas relacionados à presença feminina no desenvolvimento do Teatro de Animação. A comunidade escolar de Dois Irmãos será envolvida, com apresentações e atividades de formação.

O 1º Encontro de Mulheres Bonequeiras do RS é um desdobramento de uma rede de bonequeiras criada em dezembro de 2019, em Ipueira (RN), que se espalhou pelo Brasil com o propósito de fazer um panorama completo das “mulheres brincantes”. O movimento chegou ao Rio Grande do Sul em 2020, durante a pandemia da Covid-19, e cresceu a partir de um mapeamento divulgado e compartilhado nas redes sociais. Para fortalecer o movimento, surgiu a ideia de um encontro presencial.

Observando os cuidados de distanciamento, a programação acontecerá nos espaços do Centro Cultural Antiga Matriz, Parque Municipal Romeo Benício Wolf, Avenida 10 de Setembro e Espaço de Residência Artística Vale Arvoredo (localizado entre Dois Irmãos e Morro Reuter), no pé da Serra gaúcha. Para executar o projeto, além das mulheres bonequeiras e artistas, estão sendo priorizadas profissionais do gênero feminino, tanto para a prestação de serviços, como para apoio e fornecimento de insumos.

SELEÇÃO – O evento foi selecionado no Edital Criação e Formação – Diversidade das Culturas, realizado em parceria pela Fundação Marcopolo e Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul (SEDAC), com recursos da Lei Aldir Blanc (nº 14.017/20). Idealizado pela produtora cultural Luciane Vilanova, tem como proposta identificar artistas, discutir e capacitar sobre o Teatro de Animação. O tema de gênero é abordado por conta do domínio masculino histórico no segmento. “Nosso foco é dar protagonismo às mulheres que atuam na área, promovendo um evento de mulheres, com mulheres e, democraticamente, aberto a toda sociedade, sem distinção de etnia, classe social, religião ou gênero”, ressalta Luciane.

As organizadoras avaliaram que, neste momento crítico para toda sociedade, de distanciamento e isolamento, o retorno ao convívio social poderia ser encarado de forma leve através da arte dos bonecos. “Com sua magia, ludicidade e encantamento, nossa arte pode ser um alento em meio ao obscurantismo, à insegurança, às dúvidas e aos medos em tempos de pandemia”, destaca a produtora.

O Teatro de Animação é composto por várias linguagens: teatro de bonecos, teatro de máscaras, teatro lambe-lambe, teatro de sombras e muitas técnicas, como marionetes de fios, manipulação direta, bonecos de luva, fantoche, sombras corporais, entre outras. A rede de bonequeiras gaúchas envolve criadoras, atrizes, animadoras, autoras, brincantes, diretoras, cenógrafas, aderecistas, marionetistas, costureiras, lambe-lambeiras, iluminadoras, pesquisadoras, técnicas, produtoras, professoras, terapeutas, oficineiras, todas profissionais que têm em comum a arte de “dar vida” seres inanimados através da arte. Mais informações sobre o evento podem ser acessadas em www.facebook.com/mulheresbonqueirasdors e www.instagram.com/mulheres_bonequeiras_do

Reportagem: Assessoria de Imprensa: Jornalista Adriane Costa

ÚLTIMAS NOTÍCIAS