Mobilidade urbana: é preciso repensar a cultura de cuidado com o deficiente visual

Um estudo divulgado recentemente pela Mobilize Brasil, organização cujo objetivo geral é contribuir com a melhoria da mobilidade urbana e da qualidade de vida nas cidades brasileiras, mostra o retrato das calçadas brasileiras.

O levantamento aponta que as condições do espaço público e sua consequente organização, não apenas contribuem esteticamente com as cidades, mas trata-se de políticas de transporte urbano que devem facilitar o acesso das pessoas a oportunidades de emprego, serviços de saúde e educação, atividades culturais e de lazer.

O levantamento enfoca que há desigualdade de acesso a oportunidades nos maiores centros urbanos do país. Foram avaliadas as condições das calçadas, sinalização geral para pedestres, o conforto e a segurança nas proximidades de edificações públicas.

Em um contexto geral, quem precisa caminhar nas capitais do país passa por grandes desafios, já que a condição das calçadas e a baixa qualidade da sinalização, que em alguns pontos nem existem, prejudicam a locomoção dos pedestres.

O desafio é ainda maior para pessoas com necessidades especiais e deficientes visuais. Para o engenheiro civil e palestrante Gabriel Metzler, cego após um acidente com fogos de artifício, faz-se necessário levar a sério a Lei Brasileira de Inclusão, bem como o estatuto da pessoa com deficiência.

“Os espaços públicos, em geral, não oferecem uma boa estrutura para a movimentação de quem tem deficiência visual. Os desafios também se dão em caso de espaços como escolas e hospitais. Alguns, embora ofereçam rampas, possuem pouca ou nenhuma orientação para quem precisa, como os pisos táteis, que são as faixas em alto relevo”, explica Metzler.

Ele, que viaja o país para conscientizar as pessoas sobre os perigos da má utilização dos fogos de artifício, também desenvolve um trabalho de incentivo à inclusão das pessoas com algum tipo de deficiência visual.

“As pessoas muitas vezes, não auxiliam o cego por não saberem como ajudar, até mesmo com coisas simples, como atravessar a rua. O deficiente visual é uma pessoa como qualquer outra, só não enxerga”, explica.

Com leveza e bom humor, Gabriel incentiva pessoas e empresas a repensarem sua relação com a deficiência visual. Por isso, alerta que a qualidade da boa sinalização também deve estar inserida na preocupação com esse perfil de público.

“Não somente àqueles que são cegos, mas também pessoas com outras deficiências, idosos, crianças e mães com carrinhos de bebê. O importante é que todos se unam a causa de cuidado com a mobilidade urbana”, explica.

Um novo olhar para a vida – Gabriel Metzler é autor do livro Um novo Olhar para a vida, onde narra sua história de persistência e superação após um grave acidente onde perdeu um amigo e  parte da visão. Por implicações posteriores, Gabriel perdeu o que lhe restou da visão. Viajou o mundo, morou fora do país e se formou engenheiro civil.

Gabriel Metzler é um Engenheiro Civil que a vida lapidou para ser Coach, Palestrante e Treinador Comportamental. É uma fonte de inspiração para as empresas que buscam transformações em suas equipes e pessoas que querem alavancar o seu potencial pessoal e profissional. É Master Coach formado pela LeaderArt International, Life and Business Coach pela LeaderArt International, Coaching Esportivo pela Academia Emocional com Suzy Fleury, Personal, Professional e Life Coach pela Sociedade Paranaense de Coaching – SPARC. Cursando MBA em Coaching pelo Grupo Uniasselvi. Possui MBA Internacional pela Fundação Getúlio Vargas – FGV e The George Washington University (Washington, EUA), curso Liderança e Negociação na Harvard Law School (Boston, EUA). É Engenheiro Civil formado pela PUC-Pr. Morou por 6 meses no Canadá. A curiosidade, o alto astral e a disposição do Gabriel em buscar o desconhecido proporcionam-lhe, a cada dia, novas lições. O aprendizado é contínuo e estimulante. Das palestras surgiram os treinamentos, o Coaching e recentemente um livro, intitulado Um Novo Olhar Para a Vida. O primeiro livro de uma série que, com certeza, será de valor inestimável para todos aqueles que rejeitam a zona de conforto e buscam ir além das suas expectativas!. Possui cursos com Tony Robbins, José Roberto Marques (Instituto Brasileiro de Coaching – IBC), Grupo Educacional Augusto Cury. – Fundador e Coordenador do Grupo Alerta Vida – GAV – Trabalho voluntário que tem o objetivo de conscientizar, através de palestras e seminários, jovens e crianças sobre os perigos do manuseio inadequado de fogos de artifício e explosivos. Esse trabalho foi premiado internacionalmente pela UNESCO, através da participação no Fórum Internacional Sonhadores do Milênio (Millennium Dreamers), realizado nos Estados Unidos, em 2000.

No meio dessa caminhada, Gabriel perdeu totalmente a visão e, mesmo cego  continua sua jornada de inspirar e ajudar pessoas.

SAP Comunica- Soluções em Comunicação e Marketing – Jornalista Responsável – Flávia Gabriela Freitas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jaguaruna | Movimento é crescente no aeroporto da cidade

Aproximadamente 40 dias após o retorno dos voos da Latam no Aeroporto Regional Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna, o local começa a retomar, aos...

Ministro da Saúde diz a senadores que pode avaliar mudanças em portaria sobre aborto legal

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que vai avaliar sugestões de mudanças na portaria que obriga médicos a notificarem a polícia ao atenderem vítimas...

Para evitar aglomeração, 16ª Caminhada do Coração será realizada de forma especial

"Entre os dias 21 e 28 de setembro, o Hospital Cardiológico Costantini convida a população a caminhar, seguindo as recomendações de distanciamento social das...

Santa Catarina | Recicla mais de 45 mil toneladas de resíduos de peixes ao ano

A indústria da pesca representa uma importante parcela da economia catarinense. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e...