Ministério da Saúde não prevê vacinar toda a população contra a covid em 2021

Nem todos os brasileiros devem ser vacinados contra a covid-19 em 2021. O Ministério da Saúde informou nessa 6ª feira (27.nov.2020) que a prioridade será para grupos de maior risco de exposição ao coronavírus e que possam ter complicações pela doença.

A pasta citou dificuldade na produção de grandes quantidades da vacina. Além disso, os testes clínicos não incluíram determinados grupos, como grávidas e crianças, impossibilitando que eles recebam o imunizante.

Quando a gente fala em imunização, o mundo não entende que terá que ter vacina para todos”, disse Elcio Franco, secretário-executivo do Ministério da Saúde. Ele participou de evento da pasta para apresentar 1 balanço das ações de combate à covid-19.

Elcio falou da Covax Facility, iniciativa da OMS (Organização Mundial da Saúde), que acompanha 9 estudos clínicos e pretende distribuir doses de vacinas aprovadas para os países signatários.

A própria Covax Facility (…) almeja acesso a 2 bilhões de doses para a vacinar todo o mundo. Por aí verificamos que é uma meta bastante ambiciosa porque não se imagina que haverá vacina para vacinar todos os cidadãos do planeta.

O Brasil é 1 dos signatários da Covax. O país deve ter acesso a 42 milhões da através da iniciativa.

Segundo o secretário-executivo, a limitação na vacinação não trará riscos para os brasileiros.

O fato de determinados grupos da população não serem imunizados não significa que não estarão seguros, porque outros grupos que convivem com aqueles estarão imunizados. Dessa forma, não vão ter a possibilidade de se contaminar com a doença. É por esse motivo que não vacinamos toda a população, por exemplo, contra a influenza”, disse.

A coordenadora do PNI (Programa Nacional de Imunizações) do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, repetiu as dificuldades.

Não temos uma vacina para vacinar toda a população brasileira”, declarou. “Não podemos priorizar determinados públicos tendo em vista que essa vacina não está sendo utilizada durante os testes nessa população, a exemplo de crianças e gestantes.

A pasta está elaborando 1 plano nacional de imunização. Uma versão preliminar deve ser compartilhada na próxima 3ª feira (1º.dez) com especialistas e secretários de saúde.

Além da Covax Facility, o governo federal tem acordo com a AstraZeneca/Oxford para a aquisição de 100 milhões de doses e transferência de tecnologia. De acordo com o ministério, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) pode produzir mais 110 milhões de doses em 2021.

O governo brasileiro se reuniu no último domingo (22.nov) com 5 laboratórios que desenvolvem vacinas contra a covid-19. Foram recebidos representantes de Pfizer (EUA), Janssen (Bélgica), Bharat Biotech (Índia), RDIF (Fundo Russo de Investimento Direto) e Moderna (EUA).

A pasta informou ainda que deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com as empresas para permitir uma futura aquisição de doses. Mas qualquer compra de vacina só poderá ocorrer após o registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A população do Estado de São Paulo terá ainda acesso ao imunizante da farmacêutica chinesa Sinovac, o CoronaVac. O acordo firmado pelo governo estadual prevê a compra de 46 milhões de doses e a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Instituto Butantan.

Reportagem: Poder 360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS