Alta de preço de alimentos vai durar alguns meses no Brasil

BRASÍLIA – O secretário de Política Econômica do Ministério da EconomiaAdolfo Sachsida, avaliou que a alta de preços de alimentos, como o arroz, é “transitória e localizada” e não traz risco para o controle da inflação.

“A inflação é uma alta generalizada e recorrente. O aumento que estamos vendo agora não é generalizado, mas localizado em alguns produtos da cesta básica. Vai durar alguns meses e depois retorna à normalidade”, diz Sachsida, que comanda a secretaria responsável pelo acompanhamento dos preços e dados de alta frequência da economia.

Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro acertou quando disse que não vai resolver o problema na caneta. ”Vamos lembrar a frase completa dele. Ele falou que não dá para resolver o problema numa canetada”, ressaltou. Na semana passada, ao pedir “patriotismo” aos comerciantes, Bolsonaro disse que não baixaria os preços com uma intervenção governamental.

Na terça-feira, 8, ao falar sobre o preço do arroz, que disparou nas últimas semanas, com pacote de cinco quilos chegando a custar R$ 40 (normalmente, é vendido a cerca de R$ 15), Bolsonaro disse que o governo prepara medidas para encarar a inflação dos alimentos e “dar uma resposta a esses preços que dispararam nos supermercados”.

Nesta quarta-feira, 9, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA, o índice oficial de preços, teve alta de 0,24% em agosto, sobre pressão, principalmente da gasolina e dos alimentos.

Como a secretaria vê a alta de preços dos produtos da cesta básica?

É problema localizado transitório na questão dos alimentos. Isso aconteceu, sobretudo porque o governo, no esforço para combater a crise do coronavírus, transferiu parcela importante de recursos de auxílio emergencial aos informais. Era natural que as pessoas iriam gastar parte desse dinheiro com alimentos. O que é muito bom. A demanda por alimentos aumentou e é que estamos vendo hoje. A demanda internacional aumentou também. Mas essa é questão de conjuntura. Não me parece ser estrutural.

Há o risco de repique da inflação?

Vai aumentar um pouquinho, porque o preço dos alimentos aumentou. Mas quando se olham os índices de inflação, em termos agregados, continuam totalmente sob controle. A inflação continua muito baixa. As pessoas que vão ao supermercado sentem que aumentou, mas é uma alta transitória na questão de alimentos. Nós temos que estar cientes dos efeitos das nossas intervenções de política econômica. O governo, junto com o Congresso, criou o auxílio emergencial aos informais. É um programa que transfere mais de R$ 50 bilhões por mês para a população que está numa situação de dificuldade. Vamos dar o exemplo do Bolsa Família. As famílias do programa recebiam em média R$ 190 e passaram a receber quase R$ 900 com o auxílio aos informais (levando-se em conta que uma mesma família tenha mais de uma pessoa recebendo o auxílio de R$ 600 ou ainda a situação das chefes de famílias que receberam R$ 1,2 mil por mês). É natural que essas pessoas vão demandar mais alimentos, vão comer mais. Isso mostra o acerto da política, porque a pessoa está gastando mais com comida. É natural que o preço dos alimentos tenha um aumento. Era esperado.

Vai demorar quanto tempo para normalizar os preços?

São várias questões. Tem o mercado internacional que está pressionando os preços dos alimentos para cima. Tem os programas governamentais de ajuda à população carente, porque é um momento que demanda intervenção do governo. Isso vai normalizado. Talvez demore um pouquinho, mas nada que comprometa a estabilidade de preços. Repito: é um choque localizado.

Qual a diferença?

A inflação é uma alta generalizada e recorrente. O aumento que estamos vendo agora não é generalizado, mas localizado em alguns produtos da cesta básica. Vai durar alguns meses e depois retorna à normalidade. O Banco Central tem feito um trabalho excepcional no combate da inflação. Estamos muito seguros disso.

O governo não está vendo risco maior de uma disseminação do aumento de preços?

Nenhum. O presidente Jair Bolsonaro pediu patriotismos do setor de supermercados para não aumentar os preços. Essa postura fez muitos lembrarem os fiscais de preços do ex-presidente José Sarney. Pelo contrário, o presidente Bolsonaro acertou. Vamos lembrar a frase completa dele. Ele falou que não dá para resolver o problema numa canetada. Ou seja, o presidente mostrou claramente que não pretende interferir no processo de preços. Ele acertou. O que está correto porque nesse momento é localizado. O que ele pediu é que cada um contribua como puder para ajudar nesse momento de crise na economia mundial e brasileiro. Todos nós estamos contribuindo. O presidente pediu que cada um ajude e dê a sua contribuição.

Reportagem/Adriana Fernandes/O Estadão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Aumento de vagas de trabalho apontam para retomada gradual da economia

“Setores de saúde, tecnologia, vendas e gestão de pessoas lideram as ofertas de vagas no mercado de trabalho”. Desde o início da pandemia causada pelo...

SC | Governo anuncia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para outubro

O governador Carlos Moisés anunciou na tarde desta quarta-feira (23) que o pagamento da primeira parcela do 13º salário do funcionalismo público estadual ocorrerá no dia 16 de outubro. A...

Volkswagen vai indenizar vítimas da ditadura no Brasil

"Investigações apontaram que montadora alemã colaborou de maneira sistemática e ativa com o regime militar brasileiro. Agora, ex-funcionários perseguidos deverão receber R$ 36 milhões...

Fila de pessoas com deficiência aguardando BPC bate 500 mil

O presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Leonardo Rolim, afirmou nesta quarta-feira (23) que mais de 500 mil pessoas com deficiência estão...