Levar vacina a 7,8 bi de pessoas demandará 8 mil cargueiros Boeing 747

O transporte de carga tem sido a menina dos olhos do setor aéreo durante o período de crise provocado pela pandemia do coronavírus. O segmento hoje está em um momento favorável e deve iniciar uma retomada acelerada nos próximos meses. O maior desafio hoje, entretanto, será a logística para espalhar a tão esperada vacina contra o vírus no mundo.

Segundo cálculos da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), levar uma dose única da vacina a 7,8 bilhões de pessoas ocuparia por completo 8 mil cargueiros Boeing 747, uma das maiores aeronaves do mundo.

“Isso se tivermos apenas uma dose”, destacou Glyn Hughes, Head Global de Carga da associação.

A Iata já está se movimentando e mantém contato com farmacêuticas, organismos multilaterais e aeroportos para organizar a missão. Hughes ponderou que a capacidade para transportar as vacinas será um problema.

O setor sofre hoje com a falta de oferta para carga por causa da queda dramática no transporte de passageiros, que tem papel central ao levar carga na barriga das aeronaves.

Na América Latina o desafio é ainda maior, com empresas abandonando de vez a região e grupos importantes em dificuldade financeira. Diante do cenário, a capacidade global do setor, medida em toneladas de carga disponível por quilômetro (ACTKs), recuou 31,2% em julho na comparação com igual mês do ano anterior.

Mesmo com o alerta, as sinalizações são positivas. “O setor de carga tende a mostrar um crescimento rápido depois de uma recessão. Em um período de recuperação, que é o que estamos entrando agora, tipicamente as empresas usam o transporte aéreo para receber materiais mais rápido e atender o crescimento na demanda”, explicou Brian Pearce, economista-chefe da Iata.

Os dois participaram de teleconferência com jornalistas, na manhã desta quarta-feira, 9. O economista apontou gráficos na apresentação que mostram a retomada do transporte de carga de forma acelerada após períodos de crise em 2008 e 2000.

A demanda global por transporte aéreo de carga, medida em toneladas de carga por quilômetro (CTKs), apresentou queda de 13,5% em julho na comparação com igual mês de 2019. O número, divulgado na semana passada, voltou à apresentação da Iata para ser comparado com os dados do segmento de passageiros, cuja demanda (medida em passageiros quilômetros pagos, RPK) apresentou queda de 79,8% em igual comparação.

Outra sinalização favorável, na visão de Pearce, é a retomada da confiança empresarial, que voltou a patamares pré-crise nos países da Europa, nos Estados Unidos e na China. “Com isso, há uma tendência de uma recuperação em ‘v’ no crescimento econômico”, disse.

Antes da crise, o transporte de carga estava perdendo espaço nas receitas das empresas aéreas. Desde 2000, a fatia do segmento na receita operacional tem ficado abaixo de 20% e bateu 15% em 2019. Com a crise, esse indicador hoje foi para 25%. “A carga está sendo uma fonte importante de receita em um momento que os recursos praticamente desapareceram. Acreditamos que nos próximos anos o transporte de carga vai ser cada vez mais significativo”, disse.

Ele destacou ainda o crescimento do e-commerce com a pandemia. “A pandemia acelerou um processo de mudança no consumo das pessoas. O transporte de carga tem sido muito importante. Vemos muita demanda doméstica de transporte de carga por causa do crescimento do e-commerce”, disse.

Esta informação é do Estadão Conteúdo – Notícias ao Minuto

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

O Mineiro de carvão do distrito de Guatá, homenageado pela sua coragem e bravura…

Esta homenagem está localizada na praça de entrada do distrito de Guatá em Lauro Müller desde 2013, gestão do prefeito  Fabrício.

Educação: Os números do Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2019 revela que o Brasil continua perdendo a corrida educacional. Elaborado a cada dois anos...

Criciúma | CDL reúne lojistas e profissionais do varejo para cocriar o Natal 2020

"Evento realizado virtualmente teve como intuito construir de forma coletiva a maior data do comércio". A manhã desta sexta-feira (18) foi marcada pela inovação, criatividade...

Produtores de arroz de SC não são responsáveis pelo preço

Os altos preços pagos pelo arroz alcançaram uma pequena parcela dos produtores catarinenses, avalia Gláucia Padrão, analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola...