Jovem de Maracajá desenvolve gel para tratamento de pé diabético com baixo custo

Ana Carolina Rossa Burato tem apenas 17 anos e já tem demonstrado um grande potencial dentro da ciência. Estudante do Colégio Murialdo em Araranguá e moradora de Maracajá, Ana e seu colega, Artur Alano Daniel, também de 17 anos, desenvolveram um gel fitoterapêutico que auxilia na cicatrização de feridas em pé diabético, evitando um dos maiores problemas causados pela doença: a amputação de membros inferiores.

A paixão pela pesquisa cientifica começou em 2018, no Colégio Murialdo, quando Ana participou de uma mostra da própria instituição, junto com os colegas de turma. Desde então, Ana e Artur decidiram se dedicar ainda mais e em 2019 a dupla desenvolveu este gel, criado a partir da enzima Bromelina, derivada do abacaxi.

O gel desenvolvido é capaz de diminuir os impactos do pé diabético, uma complicação do Diabetes Mellitus que ocorre quando uma área machucada nos pés desenvolve uma úlcera (ferida). Seu aparecimento pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e os níveis de glicemia são mal controlados. A condição dificulta a recuperação de ferimentos e permite a entrada de microorganismos, causando infeccções e em casos mais graves, pode levar a amputação do membro afetado.

A jovem explica que o gel auxilia na cicatrização das feridas no estado inicial, mas não é só isso, o custo de produção pode ser de até 10 vezes mais barata que os produtos presentes no mercado. “Até o momento, todos os resultados foram positivos. O custo para a produção de uma bisnaga de 30mg estaria em torno R$ 8, enquanto produtos de funcionamento semelhante custam no mínimo R$ 80”, salienta Ana.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, 85% dos diabéticos que possuem pé diabético, tem os pés amputados. “Com um diagnóstico precoce e o uso do gel, é possível evitar uma amputação, e por ser de baixo custo, ele consegue ser acessível e beneficiar todas as classes”.

Reconhecimento internacional

Em 2019, os jovens divulgaram a sua pesquisa na feira INFOMATRIX, um concurso brasileiro de projetos científicos organizado pela Sociedade Latinoamericana de Ciência e Tecnologia (SOLACYT). Nesta feira, Ana e Artur foram premiados em 1º lugar geral do concurso e ganharam uma credencial para apresentar a pesquisa em Guadalajara (México).

A jovem cientista está realizando uma vaquinha online pois precisa do valor R$ 8 mil para custear a viagem. “Esta ida para o México é algo muito grandioso, pelo fato de ser uma feira internacional. Isto nos ajuda a divulgar a pesquisa e buscar por investidores e pessoas que se interessam, para futuramente ter o gel comercializado” finaliza.

A etapa continental INFOMATRIX, ocorre entre os dias 10 e 14 de março. Para ajudar Ana a realizar este sonho, basta clicar na Vakinha ou fazer uma doação através da conta bancária:

Banco do Brasil
Conta poupança
Nome: Maria Bernardete Trento Rossa
Agência: 5326-0
Conta: 8.403-4
Variação: 51
CPF: 560.268.899-49

Obs: por ser menor de idade, a titular da conta é a avó de Ana.

Com informações do portal W3

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTIGO | A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento...

Tenente que perdeu a noiva a caminho da igreja lança livro de superação

Pouco mais de um ano após perder a noiva a caminho da igreja, o tenente da Polícia Militar Flávio Gonçalves se emociona ao comentar...

Expectativa de vida dos catarinenses é de 79,9 anos, aponta IBGE

A expectativa de vida de um recém-nascido em Santa Catarina é a maior do Brasil: em média 79,9 anos. Os dados de 2019 são...

MUNDO | Índia produzirá mais de 100 milhões de doses de 1ª vacina russa

MOSCOU, 27 NOV (ANSA) – O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RDIF), responsável financeiro pelo desenvolvimento da vacina contra o novo coronavírus Sputnik V,...