InícioSegurançaInseguro para estudantes, ginásio em escola pública em Orleans terá que se...

Inseguro para estudantes, ginásio em escola pública em Orleans terá que se adequar, diz Justiça

Para assegurar as condições estruturais necessárias ao funcionamento dos estabelecimentos de ensino, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) confirmou condenação que obriga o Estado a adequar os sistemas de segurança e prevenção de incêndio em ginásio de escola pública em Orleans, na região Sul.

A 2ª Câmara de Direito Público, em matéria sob a relatoria do desembargador Francisco Oliveira Neto, decidiu que a efetiva execução do projeto elaborado pelos órgãos competentes deve ser concluída no prazo máximo de 180 dias, a partir da citação. Os desembargadores alteraram apenas a multa diária em caso de descumprimento, que foi reduzida de R$ 5 mil para R$ 200.

O Ministério Público ajuizou ação civil pública e requereu a condenação do Estado de Santa Catarina a obrigação de adequar os sistemas de segurança e incêndio. De acordo com o inquérito civil, os problemas persistem desde 2013. O Corpo de Bombeiros informou que o ginásio não possui todos os sistemas preventivos considerados vitais.

O laudo apontou a falta de manutenção dos extintores e placas de saída instaladas com dimensões inferiores, além de não atenderem os requisitos estabelecidos. Os bombeiros também identificaram que o ginásio não possui projeto preventivo de incêndio e pânico.

Condenado pela magistrada Bruna Canella Becker Burigo, da 2ª vara da comarca de Orleans, o Estado recorreu sob o argumento de que o Judiciário não pode ordenar o custeio de determinadas obras.  Pleiteou também a ampliação do prazo de execução para um ano e a redução da multa diária para R$ 100.

“O Ente Público invoca, ainda, a teoria da reserva do possível, porém não apresenta qualquer indicativo que demonstre a procedência de suas alegações, sendo inviável, para tanto, a mera assertiva de falta de viabilidade financeira. (…) Dessa maneira, a fim de assegurar a disponibilização de um ensino público de qualidade, com toda a infraestrutura necessária a segurança, a integridade física e a saúde dos integrantes do estabelecimento de ensino, a manutenção da sentença nos moldes da fundamentação é medida imperativa”, anotou o relator em seu acórdão.

O julgamento também contou com a participação dos desembargadores Sérgio Roberto Baasch Luz e Cid Goulart. A sessão foi realizada no dia 28 de janeiro e teve decisão unânime.

Jornalista Fernanda de Maman

Núcleo de Comunicação Institucional
Comarca de Criciúma
Imagem: Divulgação