Grupo de empresas brasileiras investe em BioParques que pretendem revolucionar o mercado póstumo

“Iniciativa pioneira na América Latina, transforma cemitérios em bosques, associando preocupação ecológica a um novo olhar para a vida após a morte”.

De um lado, a dor, a tristeza e a saudade, de outro, a exuberância do ciclo da vida que se renova com a germinação de uma semente, trazendo de volta todas as lembranças felizes do ente querido que se foi. Foi pensando em unir esses dois pólos que afetam a existência de todos nós, que as empresas Primaveras, de São Paulo; Grupo Parque, de Alagoas, e a Prevenir, de Minas Gerais, se uniram à Seven Capital para criar o BioParque. Empreendimento que une a ressignificação da morte à consciência ecológica, ao transformar cemitérios em bosques, em que as lembranças são cultivadas em sintonia com a preservação do meio ambiente.

Oferecendo aos seus clientes a possibilidade de vivenciar uma experiência singular e exclusiva, o BioParque propõe transformar as cinzas do ente querido em parte de um substrato preparado para o plantio de árvores a serem escolhidas por quem presta a homenagem. O resultado, além de oferecer a chance para milhares de famílias mudarem a percepção sobre a morte, permite que estas contribuam para a construção de um parque que, no lugar de túmulos, esteja repleto de árvores que colaboram para a sustentabilidade da flora e da fauna locais.

Após escolher uma entre várias espécies típicas regionais, em cerimônias especiais, as famílias realizam o plantio de sementes em BioUrnas, isto é, em urnas ecológicas patenteadas pelo BioParque e desenvolvidas na Espanha por designers catalães. Essas urnas são monitoradas de 12 a 24 meses por uma equipe de especialistas no IncubCenter, uma espécie de viveiro ultra tecnológico. Após esse período, uma nova cerimônia é agendada para o plantio definitivo da árvore no solo do parque.

QRcode

Todas as árvores são identificadas por um QRcode e o seu crescimento pode ser acompanhado por uma plataforma exclusiva desenvolvida pelo BioParque. Ela possibilita, ainda, a inserção de imagens, textos e áudios, para que cada família (re)construa, de forma personalizada, a história de seu homenageado.

Para quem desejar adquirir mais de uma árvore, o BioParque oferece possibilidades diferenciadas, como a criação de jardins e bosques. Iniciativa que também conta com profissionais especializados e mantém parceria com a Universidade de Federal de Viçosa, reconhecida internacionalmente como uma das melhores instituições do mundo na área de agronomia.

Investimento

Para a realização do empreendimento, foram realizados investimentos de aproximadamente R$ 150 milhões, destinados à aplicação de tecnologias para o tratamento das cinzas, cultivo, plantio e construção dos parques. Modelo exclusivo do BioParque, tornando a iniciativa totalmente pioneira na América Latina e semelhante a outras propostas existentes ao redor do mundo.

O lançamento do BioParque se deu em agosto de 2019, com a inauguração de um showroom e de um IncubCenter, no bairro Sion, em Belo Horizonte – MG. Nesse espaço, onde ocorre o desenvolvimento inicial das plantas, funciona também um showroom onde os clientes realizam a aquisição das árvores e as cerimônias de plantio das sementes.

A primeira unidade do BioParque está localizada em Nova Lima – MG, e a expectativa é que ainda neste ano seja completamente inaugurada. Espera-se também a inauguração de uma nova unidade em São Paulo, em 2021. Com isso, o grupo espera alcançar em 2020, um faturamento de aproximadamente R$ 220 milhões com a soma dos negócios funerários. Em seu plano de expansão, está previsto também a implantação de outros BioParques nas cidades de Curitiba, Brasília, Salvador e Rio de Janeiro, além da abertura de franquias em cidades de médio porte de todo país.

Mercado

O setor funerário no Brasil movimenta cerca de R$ 7 bilhões ao ano, segundo o Sindicato dos Cemitérios e Crematórios do Brasil – SINCEP. Com isso, o número de crematórios no país aumentou 1000% em 20 anos, associado ao surgimento de novos serviços que buscam ressignificar a morte e o luto. Pois, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, cerca de 3.500 pessoas morrem diariamente no Brasil e, ainda de acordo com o órgão, dentro de 28 anos o país terá mais mortes do que nascimentos anualmente.

Neste mercado com o crescimento anual variando entre 10 e 15% ao ano, a cremação vem se consolidando como um forte viés cultural em diversos países. Do ponto de vista científico, tal crescimento está relacionado à uma prática que interrompe o ciclo de vida de muitos micro-organismos danosos à saúde. Sob a ótica da vida urbana, este resolve ainda diversos problemas de uso e ocupação do solo nas grandes cidades, já supersaturadas por populações extremamente numerosas.

Neste contexto, em que a destinação das cinzas, muitas vezes, acaba se transformando em um dilema para as famílias, os investimentos realizados nos BioParque buscam justamente resolver essa questão. Iniciativa que acaba criando não só uma solução ecológica para o mercado póstumo, mas um processo humanizado que traga leveza e um novo olhar para a morte, ao celebrar e cultivar a vida, a partir do momento mais angustiante de nossa condição humana.

Com a consolidação do projeto, o grupo investidor almeja a abertura do capital da companhia e o alinhamento com fundos do Private Equaty, planejando, por fim, uma expansão para o restante da América Latina e América do Norte.

Sobre Seven Capital S/A

Fundada em 2013, a Seven é uma empresa de investimentos que desenvolve negócios alicerçados por premissas transformadoras, orientadas às práticas de sustentabilidade e da melhoria do bem estar social. Entre os negócios geridos, estão a BiosBrasil, cemitérios ecológicos e BioParque, e as plataformas religiosa e e-commerce Legacy e em breve a plataforma de saúde Live.

Marco Túlio de Sousa: Executivo de Contas | Hipertexto Comunicação Empresarial

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Escola Barão do Rio Branco de Urussanga realizará “Drive Thru da Leitura”

Os alunos da Educação Fundamental da Escola Barão do Rio Branco, na cidade de Urussanga, poderão participar de uma atividade diferente, durante as aulas...

EVENTOS | Novas regras para diferentes setores

Após o governo confirmar que Santa Catarina não tem mais regiões em nível gravíssimo para a covid-19, novas regras foram criadas para as áreas...

Funerária Zapelini informa o falecimento do Sr. Ademir Ghisi

Faleceu hoje ás 08h dia (29) no hospital de Criciúma o senhor Ademir Ghisi mais conhecido como "Leco", com a idade de 64 anos,...

URUBICI | Cemitérios antigos são depredados no interior da cidade

As famílias moradoras da localidade Santa Bárbara em Urubici – SC repudiam a atitude de pessoas sem coração, que por algum motivo fútil, acabaram...