Golpe do empréstimo consignado faz vítimas em Criciúma

Aposentados precisam estar atentos aos golpes de estelionato em Criciúma. O alerta é do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), que recebeu, nos últimos seis meses, mais de 500 denúncias relacionadas à fraude do empréstimo consignado, aplicadas por um único banco. O crime consiste na concessão do crédito sem o aval do beneficiário. Com a alta demanda, um ofício foi encaminhado ao Ministério Público (MP) a fim de solicitar a instauração de um inquérito civil para apurar as irregularidades nas agências bancárias. A estimativa é que o prejuízo, somente na Capital do Carvão, tenha atingido R$ 3 milhões em um semestre.

“Nós abrimos um procedimento administrativo contra o C6 Bank, onde tínhamos recebido mais de 200 reclamações desse banco até novembro. Nós começamos a receber um número muito grande de reclamações e solicitamos as comprovações que esses empréstimos consignados teriam sido feitos por parte dos consumidores e eles não conseguiram comprovar, com isso, aplicamos uma multa de R$ 1 milhão”, explica o coordenador do Procon de Criciúma, Gustavo Colle.

De novembro até março deste ano foram mais de 500 reclamações registradas pelo Procon de Criciúma, referentes ao C6 Bank. “Isso em um único banco. Se somarmos os outros, dá muito mais. Mas esse é o principal, todo o dia temos reclamação deles”, lamenta Colle. Apesar da penalização, as fraudes continuaram sendo aplicadas. “Como a gente fez o processo administrativo e não adiantou, aplicamos a multa e não adiantou, nós encaminhamos ao Ministério Público um ofício solicitando a instauração de um inquérito civil para verificar o porquê desse banco continuar com as suas atividades e aplicando esse tipo de golpe nos aposentados”, acrescenta o coordenador do órgão.

Surpresa ao ver o extrato

Moradora do bairro Quarta Linha, em Criciúma, foi uma das vítimas do golpe do crédito consignado. Abalada com a situação, a aposentada soube de forma despretensiosa da fraude. “Uma guria lá do banco ligou para eu fazer um empréstimo, daí eu disse que não queria, não precisava. E ela disse que já tinha vários no meu nome, eu perguntei, e ela falou que existiam 15”, explica.

Junto com a notícia veio o desespero. “Se eu não estou fazendo empréstimos, como que está caindo tudo na minha conta? Não está certo”, pensou. Diante da situação, a aposentada foi instruída a procurar ajuda. “Fui à Caixa, tirei o extrato da conta e me mandaram direto no Procon. Daí eu imaginava que era do INSS, que estavam depositando o dinheiro para mim e, no fim, eram esses empréstimos que nem tinham caído ainda na minha conta”, acrescenta.

O processo do Procon é receber a denúncia, acionar o banco e solicitar o estorno imediato do crédito. Assim como a senhora, outras pessoas também tiveram seus casos encaminhados ao Ministério Público para serem investigados. “O dia que me falaram desses empréstimos, me deu um desespero. Imagina, saber que está acontecendo tudo isso. Mas é torcer que vai dar tudo certo”, finaliza a aposentada.

Processo determinará penalização

O andamento do processo junto ao Ministério Público determinará qual será penalização do banco. “Tudo vai depender da investigação, o MP pode pedir o cancelamento dos convênios com os bancos fracionais, daí eles não conseguem mais fazer esse tipo de empréstimo consignado ou podem até pedir interdição do banco, mas isso tudo de acordo com as investigações”, explica Colle. “O que a gente quer é que esse banco pare de fazer esse tipo de empréstimo consignado sem autorização dos consumidores”, complementa o coordenador do Procon.

Além do atendimento aos aposentados que foram vítimas da fraude, o Procon aconselha que os consumidores  entrem com uma ação de danos morais, tendo em vista que o crédito não foi solicitado. “Pedimos também que confiram o extrato bancário mensalmente, se receberam algum valor que não reconheça e se não foi solicitado, que devolvam o dinheiro, faça o estorno e se por ventura, continuarem empréstimos sem autorização, os idosos devem entrar no site do INSS para desabilitar a função do empréstimo consignado online, assim nenhum banco consegue realizar a operação sem a presença do consumidor”, finaliza Colle.

TNSul

Imagem Divulgação

ÚLTIMAS NOTÍCIAS