Freiras brasileiras são sequestradas por terroristas em Moçambique

Duas freiras brasileiras foram feitas reféns por 24 dias por extremistas islâmicos em Moçambique, na África. Ambas já foram liberadas, mas em estado de saúde debilitado.

Em entrevista ao programa “Fantástico“, da TV Globo, o brasileiro Dom Luiz Fernando Lisboa, bispo de Pemba, relatou que a vila de Mocímboa da Praia, onde as duas eram missionárias, foi tomada por radicais islâmicos no dia 11 de agosto.

A irmã Inês está em Moçambique há 17 anos. É uma das freiras mais antigas em missão no país, que tem o português como língua oficial. A irmã Eliane há três anos trabalha como missionária na África.

“As duas chegaram bastante debilitadas. Uma delas com malária, com febre alta. Agora vão precisar de repouso, cuidados médicos e psicológicos”, contou o bispo brasileiro.

Terror em Moçambique

Pemba, a capital da província de Cabo Delgado vem sendo alvo de ataques terroristas no país. Cidades foram incendiadas, civis mortos e ônibus metralhados nos últimos dias.

O bispo afirmou que os ataques são coordenados por radicais que disseram pertencer ao Estado Islâmico.

Esta informação é da Catraca-Livre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Gruta de acesso as localidades do interior de Orleans está sofrendo invasão de furto de flores

As caminhadas costumam começar bem cedinho principalmente nos fins de semana e feriado, e seguem até por volta das 16h já que escurece cedo,...

Morre voluntário brasileiro de testes de Oxford; empresa não diz se ele tomou vacina ou placebo

SÃO PAULO - Um voluntário brasileiro da pesquisa da vacina contra a covid desenvolvida em parceria pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca morreu por complicações da covid-19. Não se...

Núcleo Jovem de Içara lança canal no YouTube com Talk sobre marketing nesta quinta-feira

O Núcleo Jovem da Associação Empresarial de Içara vai estar presente também no YouTube a partir desta semana. A primeira participação na plataforma de...

Com lojas fechadas por 26 dias em meio à pandemia, varejo de Criciúma precisou de reinventar

"Presidente da CDL, Andréa Salvalággio, compartilhou aprendizados no Alfa Talk desta semana". Desaprender para reaprender. A máxima de muitos setores durante a pandemia não foi...