InícioSegurançaFeminicídio: Corpo da auxiliar de cozinha Shaiane Rocha, desaparecida desde fevereiro, é...

Feminicídio: Corpo da auxiliar de cozinha Shaiane Rocha, desaparecida desde fevereiro, é encontrado dentro de mala em Garopaba

O corpo da auxiliar de cozinha, Shaiane da Rocha, de 25 anos, que estava desaparecida desde o dia 18 de fevereiro, foi encontrado na tarde desta segunda-feira (09), dentro de uma mala, em uma região pouco habitada e arborizada chamada Galeão, no Bairro Pinguirito, em Garopaba.

O ex-companheiro dela, Maurício Douglas Borges Fortes, de 21 anos, preso também nesta tarde, por volta das 14h30, em Viamão (RS), foi quem indicou aos investigadores da Polícia Civil de Garopaba o local em que havia desovado o cadáver. Ele disse aos policiais que havia tirado a vida da companheira com um soco, versão que é contestada pelos investigadores.

Maurício era procurado pelo desaparecimento de Shaiane, já que ela havia prestado queixa contra ele por agressão, o que inclusive gerou uma medida protetiva em favor da auxiliar de cozinha. Contudo, o casal voltou a morar junto dois dias depois da queixa.

Conforme a Polícia Civil, Shaiane, que trabalhava em uma pizzaria do centro de Garopaba, teria sido morta pelo companheiro na madrugada de 19 de fevereiro na residência onde o casal vivia, no bairro Ambrósio. O desaparecimento da Auxiliar de cozinha foi registrado pelos colegas de trabalho. Os dois vieram de Viamão e moravam em Garopaba há nove meses.

“Ele disse que os dois tinham um relacionamento conturbado, que naquele dia tiveram uma briga por ciúme e que ele acabou agredindo ela com um soco, que teria causado a morte. Mas essa é a versão dele. Aguardamos o laudo da perícia para saber exatamente o que causou (a morte)”, declarou a delegada Patricia Fronza Vieira.

Durante o depoimento, o homem contou que, depois de matar a companheira, depositou o corpo dela em uma mala grande de viagem e o levou de bicicleta até o terreno baldio onde o deixou, relatou ainda a delegada.

Feminicídios em SC

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina (SSP), até segunda-feira (9) foram registrados 10 casos de feminicídio no Estado. No mesmo período de 2019, haviam sido 11 mortes pelo crime.
Cinquenta e nove mulheres morreram em Santa Catarina vítimas de feminicídio no ano de 2019, informou nesta quinta-feira (2) a Secretaria de Segurança Pública (SSP). O número é 40% maior que o registrado no ano anterior, quando 42 mulheres morreram pelo crime.

SEGURANÇA

Como pedir ajuda: conheça serviços que atendem vítimas de violência doméstica em SC
São considerados feminicídios os casos em que mulheres são mortas no âmbito de violência doméstica ou pela condição de serem mulheres. Em geral, a violência envolve companheiros ou ex-companheiros das vítimas.

O número de 2019 é o maior dos últimos três anos e o índice voltou a registrar alta após dois anos consecutivos de queda. Em 2016, primeiro ano completo com a tipificação de feminicídio em vigor – o crime passou a ser considerado a partir de março de 2015 -, 54 mulheres foram assassinadas em SC. No ano seguinte, foram 52, passando para as 42 mortes em 2018.

Com informações do portal A Hora