EUA começam vacinação contra covid-19 na 2ª feira

O governo dos Estados Unidos anunciou, neste sábado (12.dez.2020), que iniciará o processo de vacinação da população na próxima 2ª feira (14.dez).

A medida vem depois de a FDA (Food and Drug Administration) –órgão equivalente a uma “Anvisa americana”– aprovar o uso emergencial da vacina das farmacêuticas Pfizer e BioNTech.

O início da imunização foi anunciado pelo general do Exército Gustave Perna, chefe da operação de vacinação norte-americana.

“Hoje é realmente um dia histórico. Por 7 meses nós realizamos a maior parceria público-privada dos tempos modernos”, afirmou Perna. Ele ainda citou o esforço coletivo de pesquisadores, cientistas, médicos e “muito outros trabalhadores” pelo mesmo propósito, de salvar vidas e acabar com a pandemia.

O general afirmou que as vacinas já passaram a ser distribuídas nos Estados e serão entregues em 145 locais do país no início da próxima semana. Na 3ª e na 4ª feira, mais 491 receberão cargas do imunizante. O governo pretende ter em 3 semanas a distribuição completa no país, em todas as unidades de saúde.

20 milhões de doses até o final do ano

O órgão de Defesa detalhou (leia abaixo, em inglês) o processo acelerado de criação, testagem, fabricação e distribuição da vacina, com duração total de 14 meses. Todas essas etapas normalmente têm duração estimada em 73 meses.

O documento cita como “missão” entregar 300 milhões de doses da vacina até 1º de janeiro de 2021 – o que não deve ocorrer. A Pfizer afirmou que deve providenciar 25 milhões até o final do mês de dezembro.

Segundo o general, os primeiros a serem vacinados serão os profissionais da área da saúde com grande risco de exposição ao coronavírus, além dos idosos que vivem em asilos.

“É apenas através da colaboração estabelecida pelos incríveis especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, a capacidade e capacidade da indústria comercial – incluindo Pfizer, McKesson, FedEx, UPS, Walgreens, CVS e … o mais importante, os governadores […] que este plano terá sucesso “, afirmou Perna.

O DESAFIO LOGÍSTICO

A vacina produzida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNTech será usada para imunização. O principal problema neste momento é sua distribuição, que exigirá grandes cuidados e um esforço logístico coletivo: o imunizante exige armazenamento numa temperatura de -70ºC.

A fabricante projetou contêineres especiais para o transporte, que inclui rastreadores e  gelo seco, mantido para manter as doses suficientemente frias por até 10 dias. Cada caminhão que fizer o transporte será rastreado, e terá um dispositivo que monitora sua temperatura, exposição à luz e movimento.

As caixas especiais que carregarão as cargas do imunizaste aos estados, poderão ser abertas no máximo 2 vezes por dia. Ainda neste sábado (12.dez), nas fábricas da Pfizer, frascos de vacinas já começaram a ser preparados para o envio. O procedimento foi acompanhado por funcionários do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) no local para garantir que não houvessem acidentes.

Além disso, recursos financeiros para os governos estaduais serão necessários para o procedimento. Segundo o New York Times, estados afirmaram que têm apenas uma fração do financiamento de que precisam do governo federal para administrar a vacinação. Um dos fatores é o rastreamento de quem recebeu ambas as doses da vacina (é necessário uma 2ª carga três semanas após a injeção inicial).

Alguns estados estão recebendo suas cargas iniciais de acordo com um cálculo federal baseado estritamente em sua população adulta. No entanto, muitos hospitais afirmaram que ainda não sabem exatamente quanto receberão ou quando as remessas chegarão.

COVID-19 NOS EUA

O coronavírus fez 304 mil mortos nos EUA, até o fechamento desta edição (12.dez). O país é o 10º no ranking de mortos por milhão de habitantes.

© Fornecido por Poder360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS