Estudante é alvo de mensagens racistas de alunos de colégio de luxo do Rio: ‘Dois índios por um africano’

Publicado em 21 de maio de 2020

O racismo, mais uma vez, fez valer toda a sua perversidade. Desta vez, o alvo foi um estudante negra do colégio Franco-Brasileiro, frequentado pelos filhos de membros da classe alta do Rio de Janeiro.

Ndeye Fatou Ndiaye foi alvo de uma troca de mensagens racistas de adolescentes da Zona Sul do Rio de Janeiro. Os registros foram feitos no aplicativo WhatsApp e como mostrou o G1, são afirmações carregadas de ódio e preconceito contra a comunidade negra.

Mensagens trocadas por alunos racistas do Franco-Brasileiro

Eis os comentários racistas dos jovens da elite carioca: 

“Para comprar um negro, só com outro negro mesmo”, escreveu um deles.

“Quando mais preto, mais preju”, publicou outro.

Mensagens trocadas por alunos racistas do Franco-Brasileiro

“Dou dois índios por um africano”, diz outro aluno.

“Um negro vale uma bala”, dispara outro racista.

Há ainda mensagens que citam o nome de Ndeye: 

“Fede a chorume”

“Escravo não pode. Ela não é gente”.

A família de Ndeye Fatou Ndiaye não esconde a indignação com os fatos. Eles disseram que o caso foi registrado na Polícia Civil. A jovem, por sua vez, mostrou lucidez e uma superioridade absurda aos falar de seus algozes racistas.

“Eu recebi mensagens dos meus professores de História, eles se sentiram fracassados. Só que eles não fracassaram, porque este é um pequeno grupo de alunos. Estamos em 2020, são diálogos que não deveriam estar acontecendo. Foi uma coisa que me deixou bastante indignada e triste pelos meus professores”, relatou ao G1.

Fatou, você é linda!

E o colégio? 

O colégio Franco-Brasileiro se manifestou nas redes sociais com a famosa e já gasta nota de repúdio. A escola disse que lamenta e que tomará as providências cabíveis contra os alunos. Ainda não se sabe qual será a punição aos estudantes racistas. Lembrando que racismo no Brasil é crime.

“Nos 105 anos de história da nossa instituição, preservamos vários valores que são caros para nós. Entre eles, o da igualdade racial”, afirma trecho da nota que pode ser lida na íntegra ao final desta reportagem.

Fatou, ainda ao G1, voltou a dar uma aula de consciência e, com perdão da repetição, superioridade.

“O meu colégio é de excelência, um dos melhores do Rio de Janeiro. A gente vê que, mesmo com pessoas que têm todos os acessos à educação, à informação, continua se propagando coisas extremamente racistas. É uma forma de mostrarmos que o racismo está em todos os lugares e a gente vai combater não só judicialmente, mas com conhecimento”.

Nas redes sociais, o historiador Luiz Antonio Simas mostrou como uma pessoa branca deve se posicionar não só diante de casos absurdos de racismo como este, mas para que situações absolutamente constrangedoras não se repitam com outras mulheres e homens negros.

Segundo ele, cabe ao branco se despir do “complexo de superioridade”. 

“A patologia colonial da branquitude é o complexo de superioridade. A patologia do branco colonizador é a de que somos, ao mesmo tempo, colonizados. Já não somos europeus, nunca poderemos ser, e não queremos ser americanos do sul. Vivemos na rasura”. 

Colégio Franco-Brasileiro
NOTA DE REPÚDIO ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Prezada Comunidade Escolar, ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Tomamos ciência hoje de um fato ocorrido envolvendo alunos da 1ª série do Ensino Médio do Colégio Franco-Brasileiro, em conversas de um grupo de WhatsApp formado pelos próprios alunos. Nessas conversas, foram constatadas atitudes extremamente racistas.

Estamos profundamente indignados com o ocorrido e reiteramos que o Colégio Franco-Brasileiro repudia, de forma veemente, toda forma de racismo.

O ato de discriminar agride os Direitos Humanos e o princípio da dignidade da pessoa humana. É nossa responsabilidade enfrentar o racismo nos diferentes espaços que ocupamos, incluindo os ambientes virtuais.

Em nossa proposta pedagógica, destacamos que: “educamos para a democracia e não para o autoritarismo, para a igualdade de gênero e não para o sexismo, para o pluralismo econômico e não para o dogmatismo, para a diversidade cultural e não para o etnocentrismo, para a igualdade racial e não para o racismo, para a liberdade religiosa e não para o fanatismo”.

Estamos analisando todos os fatos para que as devidas providências sejam tomadas. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Atenciosamente,
Equipe Técnico-Pedagógica

Kauê Vieira : Redação Hypeness

Foto : Reprodução

Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

NOTÍCIAS RELACIONADAS

FAÇA SUA PESQUISA