Especialistas defendem uso de remédios como cloroquina e ivermectina à CPI

Os médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves defenderam ontem 6ª feira (18.jun.2021) o uso de remédios como a ivermectina e a cloroquina como uma forma de tratamento precoce para a covid-19 à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado.

Por exemplo, só em relação à ivermectina, nós temos, no mínimo, cinco revisões temáticas com metanálise. A mais recente, com 19 ensaios clínicos randomizados, sendo nove duplos-cegos, mostrando uma redução de 85% na mortalidade, com a ivermectina, em pacientes com Covid leve a moderada”, declarou Zimerman em seu discurso inicial.

Francisco Eduardo criticou o que chamou de politização do uso ou não dos remédios contra covid. A partir da defesa feita por Jair Bolsonaro da cloroquina por exemplo, opositores têm criticado quem também defende o chamado tratamento precoce.

A hidroxicloroquina, quando usada num sistema de saúde público, como o iraniano, que é parecido com o nosso, até com centralização e prontuário eletrônico de mais de 90% dos atendidos no SUS iraniano… Em estudo, agora, publicado recentemente, 27 mil iranianos avaliados, quem recebeu hidroxicloroquina, teve letalidade de 73% a menos – 73% a menos”, afirmou Zimerman.

Pela 1ª vez na CPI, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), se recusou a questionar os convidados. A recusa foi em protesto à fala do presidente Jair Bolsonaro em sua live da 5ª feira (17.jun).  O presidente disse que se infectar com a doença é mais eficaz que as vacinas.

O relator e o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), saíram da comissão antes dos depoimentos. Senadores governistas, que são maioria presencialmente na reunião, protestaram e pediram que fosse designado um relator substituto, mas a demanda foi negada. Também alegaram que Renan não tratou assim outros convidados especialistas e que já teria sua sentença pronta.

“O senhor ouviu mas não quer questioná-los; deveria questioná-los. Deveria…O.k., não quero lhe obrigar, mas são dois pesos e duas medida (…) Aqui tem cientistas, aqui tem médicos que tratam pacientes”, disse Luís Carlos Heinze (PP-RS).

O senador questionou a forma como o relator tratou os convidados citando os cientistas Natalia Pasternak e Cláudio Maierovitch. Nessa reunião, quando ambos responsabilizaram o governo federal pelas milhares de mortes de covid-19 no país, Renan fez um longo interrogatório, lendo perguntas em um papel impresso como sempre tem feito na CPI.

Em suas exposições, os médicos convidados desta 6ª feira afirmaram que existem estudos científicos de alto padrão que corroboram a tese do tratamento precoce. Há uma semana (11.jun), a cientista Natália Pasternak e o ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Cláudio Maierovitch disseram o oposto à CPI.

“[Há] um estudo muito completo, publicado também no meio do ano passado, onde foi avaliada a ação da cloroquina nas células genéricas, nas células do trato respiratório, em animais, em combinação ou não com azitromicina, de todas as maneiras que os senhores podem imaginar […] Não funciona em células do trato respiratório, não funciona em camundongos, não funciona em macacos, e também já sabemos que não funciona em humanos. Senhores, a cloroquina já foi testada em tudo! A gente testou em animais, a gente testou em humanos. A gente só não testou em emas, porque as emas fugiram, mas, no resto, a gente testou em tudo, e não funcionou”, afirmou Pasternak.

Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves se disseram contra o chamado “kit covid”. Afirmaram que é preciso receitar os medicamentos corretos para cada pessoa. Eles defenderam o uso de remédios sem eficácia comprovada, como a cloroquina e a ivermectina.

“Quem defende a medicina não pode defender autotratamento ou o kit covid. Eu, inclusive, desconheço esse termo kit covid, porque o que eu vejo sendo falado como kit covid, pra mim, é algo que eu não faço na minha prática clínica, e todo mundo que trata paciente com covid não faz. Pacientes têm que ter o médico ali, do lado, o dia inteiro”, declarou Francisco.

Os médicos também foram questionados sobre o estudo no Amazonas, usando cloroquina, que matou 11 pessoas. O MPF (Ministério Público Federal) abriu inquérito para apurar o fato em abril. Os convidados da CPI disseram que nesse estudo foram utilizadas doses muito mais altas que as recomendadas.

Quem são os médicos

Ricardo Arial Zimerman é graduado em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, fez residência em infectologia e atualmente é médico da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e médico executivo do serviço de Controle de Infecção do Hospital da Brigada militar de Porto Alegre.

Já Francisco Eduardo Cardoso Alves é médico formado pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) com residência médica em Infectologia e atuação majoritária na área clínica em doenças clínicas, infectocontagiosas, parasitárias e tropicais além de diagnóstico médico em geral, atuando em consultório, ambulatório, enfermaria, emergência e terapia intensiva. Atualmente atua como consultor e palestrante em temas relacionados a covid-19.

Com informações do Poder 360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS