Especialista recomenda não abandonar atividade física durante o isolamento social

As medidas preventivas de combate ao coronavírus (Covi-19) trouxeram mudanças nas vidas de muitas pessoas. Com a necessidade de ficar em casa, a movimentação das pessoas tem sido menor. Para a médica endocrinologista da Faculdade São Leopoldo Mandic, Dra. Juliana Gabriel, o corpo foi feito para se movimentar e estar ativo é uma condição imprescindível para uma boa saúde. “É muito importante se movimentar a cada 1h30 a 2h sentado, por exemplo, para se levantar um pouco, se espreguiçar e alongar pescoço e coluna.”

Para quem estava acostumado a frequentar academias e agora precisam aguardar a reabertura, a especialista lembra que há muitas opções online que orientam a realização de exercício em casa. “O ideal seria se todos pudessem fazer pelo menos meia hora de exercício todos os dias além de se manter ativo ao longo do dia, evitando ficar muitas horas na mesma posição.”

Dependendo do ritmo de treino e da atividade física que a pessoa estava acostumada, treinar em casa pode ser menos intenso do que na academia ou em clubes. No entanto, segundo a Dra. Juliana, dependendo do grau de consciência corporal e da possibilidade de ter acompanhamento profissional online, é possível fazer treinos bastante intensos em casa.

A endocrinologista alerta para que, no entanto, ter cuidado para não sobrecarregar o sistema imunológico com a prática excessiva de exercícios físicos. “Exercício de alta intensidade podem afetar negativamente o sistema imunológico, ainda mais se forem feitos sem uma dieta e um planejamento adequado (respeitando os períodos de repouso).” Para a Dra. Juliana, não há contraindicação para os exercícios leves, que podem relaxar o corpo e inclusive melhorar as defesas. “Mas vale lembrar que quem está doente no momento, o melhor a fazer é repousar e aguardar a melhora para então iniciar os exercícios”, conclui.

A Faculdade São Leopoldo Mandic disponibiliza em seu site uma área especial com informações sobre o coronavírus, com diversos dados e artigos internacionais. Acesso: slmandic.edu.br/tudo-sobre-coronavirus/

Comunicação SLMANDIC – Sílvia Balbo Messias

Sobre a São Leopoldo Mandic

Considerada uma das dez melhores instituições de ensino superior do País há 12 anos consecutivos no Índice Geral de Cursos (IGC) do MEC, a Faculdade São Leopoldo Mandic reúne, no corpo docente, professores doutores formados pelas melhores instituições de ensino do Brasil e do Exterior. Estruturada com laboratórios de última geração e clínicas odontológicas completas, a Instituição oferece aos alunos vivência prática nos cursos de Odontologia e de Medicina desde o 1º ano, atividades de pesquisa e prestação de serviços comunitários, convênio com hospitais e Unidades Básicas de Saúde, cursos de graduação e pós-graduação. Além de laboratórios com exercícios de simulação realística, utilizando recursos modernos para diagnóstico, o HUB de Inovação e o Barco da Saúde. O corpo docente é formado por doutores e pós-doutores com vasta produção intelectual. A Faculdade São Leopoldo Mandic tem outras nove unidades distribuídas pelo País, que oferecem cursos de pós-graduação e mais uma unidade de graduação em Medicina, na cidade de Araras (SP). Canais: slmandic.edu.brfacebook.com/saoleopoldomandic.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

O Mineiro de carvão do distrito de Guatá, homenageado pela sua coragem e bravura…

Esta homenagem está localizada na praça de entrada do distrito de Guatá em Lauro Müller desde 2013, gestão do prefeito  Fabrício.

Educação: Os números do Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2019 revela que o Brasil continua perdendo a corrida educacional. Elaborado a cada dois anos...

Criciúma | CDL reúne lojistas e profissionais do varejo para cocriar o Natal 2020

"Evento realizado virtualmente teve como intuito construir de forma coletiva a maior data do comércio". A manhã desta sexta-feira (18) foi marcada pela inovação, criatividade...

Produtores de arroz de SC não são responsáveis pelo preço

Os altos preços pagos pelo arroz alcançaram uma pequena parcela dos produtores catarinenses, avalia Gláucia Padrão, analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola...