enda de testes rápidos de Covid-19 deve ser restrita à área da saúde, decide TJSC

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve proibição à comercialização de testes rápidos de Covid-19 para empresas privadas que não tenham autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A decisão ocorreu na análise de um agravo de instrumento interposto por uma empresa com sede em Joinville, que atua na importação de produtos relativos à saúde.

Na ação, a importadora contesta autuação emitida pela Gerência de Vigilância Sanitária do município, que restringiu a comercialização dos testes rápidos para órgãos, empresas e instituições legitimados pela Anvisa. Conforme sustentou a agravante, resoluções publicadas pela Anvisa não proíbem a venda para empresas que não sejam da área da saúde. A importadora também argumentou que, em decorrência da pandemia, a agência reguladora teria flexibilizado, em caráter excepcional, a aquisição de dispositivos médicos essenciais para o combate ao vírus por entidades privadas.

Ao analisar o pleito, o desembargador Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto, relator da matéria, observou que a Anvisa detém competência legal para exercer a regulamentação, controle e fiscalização sanitária, incluída a comercialização de testes para diagnosticar doenças. Entre outros apontamentos, o relator ressaltou que normas editadas pela Agência tornam o fornecimento e a execução de testes laboratoriais remotos restritos aos estabelecimentos de saúde.

Em relação à flexibilização dos requisitos para fabricação, importação e aquisição de produtos prioritários para o enfrentamento da Covid-19, definidos pela Resolução RDC n. 356/2020, o desembargador anotou que tal abertura não possibilitou a venda dos testes às empresas que atuam fora do ramo da saúde. “Dessa leitura não se concluiu que tenha havido a autorização para comercialização irrestrita no mercado de consumo”, escreveu Oliveira Neto. O fato de a Anvisa não ter expressamente se referido aos testes rápidos entre as liberações autorizadas na resolução, prosseguiu o relator, demonstra que a omissão foi proposital, “não podendo o Poder Judiciário, em sede liminar e sem qualquer embasamento técnico, alterar a política sanitária da Autarquia”. A decisão foi unânime.

Esta informação é do Poder Judiciário de SC

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Famílias passarão a receber o Bolsa Família somado ao Auxílio Emergencial até dezembro

Até o próximo dia 30 de outubro, cerca de 12,4 milhões das mais de 14,27 milhões de famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família (PBF) receberão o...

São Joaquim | Forte chuva de granizo assusta moradores da comunidade de Arvoredo

Uma forte chuva de granizo que ocorreu na tarde desta último sábado (24) e assustou os moradores da localidade de São Sebastião do Arvoredo,...

Formação de ciclone no litoral brasileiro pode causar tempestades nos próximos dias em nove Estados

Um ciclone de características subtropicais que começa a se formar no Oceano Atlântico pode provocar tempestades fortes nos litorais do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia entre a noite deste domingo, 25,...

Mundo | Na Itália, primeiras doses de vacina serão para ‘mais frágeis’

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou neste domingo (25) que as primeiras doses de vacina contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) devem...