Dom Juan dá golpe em mulher e compra fazenda usando nome de morto

Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) instaurou inquérito para apurar crimes de lavagem de dinheiro e fraude processual cometidos por um homem acusado de seduzir oito mulheres e embolsar pelo menos R$ 5 milhões, após aplicar o chamado estelionato amoroso. Apontado como “Don Juan do DF” pelas autoridades,  tem 40 anos, tornou-se alvo de mais uma apuração conduzida pela Coordenação de Repressão às Fraudes (Corf).

Ao todo, existem quatro inquéritos que apuram a ação do falsário, o qual já foi alvo de mandados de busca e apreensão. A nova investigação teve início após advogados de uma das vítimas descobrir que o estelionatário simulava a compra de fazendas fictícias das quais os proprietários já haviam morrido.

Em um dos casos, um homem morto em 2001 teve a assinatura usada para passar a escritura de uma das terras, em um cartório na cidade de Placas, no Pará. De forma fraudulenta, o Don Juan teria comprado quatro fazendas. Cada uma teria custado R$ 2,2 milhões, totalizando um suposto investimento de R$ 8,8 milhões.

De acordo com o advogado Leonardo Honorato, que defende uma das vítimas do golpista – ela amargou prejuízo de R$ 1,6 milhão –, Marcelo Cruz forjava a compra de fazendas para simular um patrimônio fictício com um objetivo claro.

“Com isso, ficava fácil conseguir empréstimos bancários afirmando trabalhar com manejo. Também ludibriar vitimas e oferecer negócios, sociedades e fundos de investimentos que nunca existiram”, explicou o advogado.

Viagens proibidas

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) o proibiu de deixar o país e autorizou a quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico do suspeito. Em novembro do ano passado, o golpista já havia sido alvo de ordem de penhora de bens determinada pela Corte.

No entanto, a execução da penhora não foi pedida por uma das sete mulheres enganadas pelo estelionatário, e sim por uma empresa especializada na venda de materiais de construção. O Don Juan é acusado de não pagar a conta no estabelecimento.

A decisão proferida pela 1ª Vara de Execução de Títulos Extrajudiciais e Conflitos Arbitrais de Brasília determinou a entrega da ordem de apreensão. No entanto, o endereço fornecido pelo homem, na cidade goiana de Anápolis, na verdade, é o de um posto de combustíveis.

Rastro de golpes

O homem deixou um rastro de golpes. Na maioria das vezes, ele seduzia mulheres para ter acesso aos bens delas. Em 19 de setembro de 2019, duas vítimas do estelionatário procuraram a Corf para registrar ocorrência. Uma delas, que preferiu não se identificar, é empresária. Ela teria sofrido um golpe ainda em 2012, quando perdeu todos os equipamentos de sua clínica de estética, em uma das quadras comerciais da Asa Norte.

Segundo a mulher, o suspeito seduziu sua sócia para conseguir ter acesso a uma série de informações particulares do estabelecimento, como o local onde era guardada a chave para abrir a empresa.
“Ele se aproximou, pois era amigo do meu ex-marido, e disse que poderia nos ajudar com a burocracia da clínica. Ele começou ajudando aos poucos, até fazendo pequenas benfeitorias no imóvel e alugando alguns aparelhos que usávamos”, explicou, em entrevista ao Metrópoles.

 

De acordo com a empresária, em alguns meses, o homem começou a se relacionar com a sua sócia, até conseguir informações privilegiadas. “Ele queria ter acesso às contas da clínica, o que eu sempre neguei. Mas minha sócia ficou apaixonada e isso facilitou a ação dele. Um dia cheguei para trabalhar e ele havia ‘limpado’ a clínica”, disse.

O Metrópoles não localizou o homem ou representantes legais do “Dom Juan”, nos contatos que constam nos inquéritos e ações judiciais às quais ele responde. O espaço segue aberto a manifestações futuras.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS