Dia Mundial da Saúde Mental – A busca incessante em se sentir bem

“Desde o ano de 1992, o dia 10 de outubro foi instituído pela Federação Mundial de Saúde Mental com a proposta de demonstrar a importância dos cuidados com a saúde mental. Neuropsicóloga Leninha Wagner aponta os critérios que confirmam se a pessoa está com bem-estar mental”.

Neuropsicóloga Leninha Wagner

Instituído em 1992 pela Federação Mundial de Saúde Mental, o dia 10 outubro passou a ser reconhecido como Dia Mundial da Saúde Mental. Os problemas relacionados à esta área são considerados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma prioridade, devido ao grande número de dias de incapacidade que o transtorno mental pode causar.

Os transtornos mentais acompanham a história da humanidade, relatos de quadros depressivos podem sem encontrados em textos antigos, como poemas gregos e a Bíblia. Pelas suas características, estes males podem trazer um impacto nas pessoas, como esquizofrenia e transtorno afetivo bipolar, e podem impactar não apenas a vida do paciente, como também a de seus familiares. Outros problemas, como a depressão e quadros ansiosos, podem igualmente levar a um grande sofrimento de todos que cercam a pessoa.Conforme lembra a neuropsicóloga Leninha Wagner, “a OMS define o conceito de saúde mental como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças ou enfermidades”. Porém, ela detalha, a saúde mentalcontempla, entre tantos fatores, “a nossa capacidade de sensação de bem-estar e harmonia, a nossa habilidade em manejar de forma positiva às adversidades e conflitos, o reconhecimento e respeito dos nossos limites e deficiências, nossa satisfação em viver, compartilhar e se relacionar com os outros”, completa.

Fatores que podem afetar a saúde mental

No entanto, diversos fatores que podem influenciar negativamente a nossa saúde mental. Entre eles, Leninha destaca: Estresse, brigas, atrasos, advertências, doenças, incapacidades, limitações, falta ou excesso de família, pouco ou muito dinheiro. Por isso, ela recorda que “quando falamos de ‘saúde mental, as pessoas remetem isso a ‘doença mental”. A Saúde Mental de uma pessoa está relacionada, reforça a neuropsicóloga, “à forma como ela reage às exigências da vida e ao modo como harmoniza seus desejos, capacidades, ambições, ideias e emoções”.

Já as doenças mentais são condições de anormalidade ou comprometimento de ordem psicológica, mental ou cognitiva. “Há diversos fatores que explicam os transtornos psiquiátricos, como genética, problemas bioquímicos, como hormônios ou substâncias tóxicas, e até mesmo o estilo de vida. Os sintomas podem ser observados no dia a dia”, observa Leninha. A palavra transtorno, tão facilmente usada para tudo, está na verdade relacionada com um conceito mais amplo de diagnóstico, como salienta a neuropsicóloga: “Ao falarmos de doença nós temos as causas, um padrão de sintomas e medidas terapêuticas padronizadas, como, por exemplo, as doenças cardíacas. Quando falamos em transtornos, nos referimos a uma trajetória diagnóstica que varia bastante de pessoa para pessoa, multifatoriais e com diversas formas de tratamento”, explica.

Diante deste cenário, ela recomenda que para ter saúde mental é preciso seguir os seguintes tópicos: “Estar bem consigo mesmo e com os outros, aceitar as exigências da vida, saber lidar com as boas emoções e também com aquelas desagradáveis, mas que fazem parte da vida, além de reconhecer seus limites e buscar ajuda quando necessário”.

Como melhorar a saúde mental

Por isso, Leninha Wagner destaca o quanto “é importante ressaltar que pessoas mentalmente saudáveis compreendem que ninguém é perfeito, que todos possuem limites e que não se pode ser tudo para todos. Elas vivenciam diariamente uma série de emoções como alegria, amor, satisfação, tristeza, raiva e frustração. São capazes de enfrentar os desafios e as mudanças da vida cotidiana com equilíbrio e sabem procurar ajuda quando têm dificuldade em lidar com conflitos, perturbações, traumas ou transições importantes nos diferentes ciclos da vida”.

Mas, se for necessário, ela recomenda: “Busquem por ajuda profissional sem preconceito, pois sabemos que estão assim teremos o melhor para oferecer aos outros: Equilíbrio emocional para viver e conviver mais e melhor com o próximo”, finaliza.

Raphael Lucca – MF Press Global /Pauteiro

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Governo lança iniciativa para simplificar regras trabalhistas

Com o objetivo de eliminar a burocracia no setor produtivo, o Governo Federal lançou o Descomplica Trabalhista. Por meio do programa, dois mil documentos...

Bashkir Curly: os cavalos ‘labradores’ cacheados que parecem seres de outro planeta

Conhecidos como Bashkir Curlies, American Bashkir Curlies e North American Curly Horses, os Curly Horses (cavalos cacheados), em tradução livre) são uma raça especial de equinos. Existentes em diversos...

Homem que jogou soda cáustica em ex-namorada é condenado a oito anos de prisão

Condenação foi por tentativa de feminicídio. Vítima sofreu ferimentos graves e ficou com sequelas. O Tribunal de Júri da Comarca de Indaial condenou, na quinta-feira...

Polícia Civil cumpre prisão preventiva de advogada suspeita de integrar organização criminosa

A Polícia Civil cumpriu a prisão preventiva expedida pela Justiça contra uma advogada suspeita de integrar uma facção criminosa em Santa Catarina e de...