Dia do Colono e Motorista: o olhar de diferentes gerações sobre as perspectivas para o trabalho no campo

Comemora-se em 25 de julho, em todo o Brasil, o Dia do Colono e Motorista, uma data para celebrar a todos aqueles que há gerações plantam o alimento para as cidades, os insumos para as indústrias e o desenvolvimento da zona rural. No interior do Rio Grande do Sul não é diferente. Agricultores que herdaram o ofício de seus antepassados seguem trabalhando no campo e tirando dele o sustento de suas famílias, como Hélio Kopp e Jardel Richard, produtores de tabaco integrados à Japan Tobacco International (JTI). Com diferentes trajetórias, ambos são exemplos das transformações que vêm ocorrendo no campo e da resiliência dos agricultores.

No interior de Sinimbu, na localidade de Linha da Serra, Kopp, 46 anos, cultiva, com a família, na propriedade que era de seu bisavô, 70 mil pés de tabaco. Ele e a esposa Angelita são de uma geração de agricultores que não teve acesso ao ensino regular. Pararam de estudar na quarta série, pois na época a região só contava com escolas até essa etapa e sua família não tinha condições de bancar o transporte e os estudos em outra região.

E essa não era a única limitação que enfrentavam. Quando começou a trabalhar no cultivo, Hélio relembra que os recursos eram escassos. O combate às pragas e doenças da lavoura, por exemplo, era muito limitado e isso gerava uma série de perdas.

A situação foi mudando ao longo do tempo. Atualmente, ele utiliza produtos que, mesmo em pequenas quantidades, permitem combater as pragas com muito mais eficácia, gerando mais ganhos e produtividade para a propriedade. Outra mudança significativa foi na educação, seu filho Eduardo, 16 anos, estuda atualmente na Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul, a mesma na qual sua filha Helen, 19 anos, se formou. Ela já está até alçando voos mais altos: cursa Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul.

Para Kopp, o estudo fará diferença na vida de seus filhos e aconselha aqueles que  querem ficar no campo a buscar uma qualificação. “O produtor jovem precisa ter, pelo menos, o Ensino Técnico. Isso dá os conhecimentos necessários para ele sobre como conservar o solo, melhorar a produtividade e outras técnicas importantes. Eu tive que aprender  sozinho, vendo meu pai trabalhar e visitando outras propriedades. É um caminho mais difícil”, reflete. Porém, ressalta que o trabalho dos Orientadores Agrícolas da JTI também o ajudou a melhorar o cultivo ao longo do tempo.

Já Jardel Richard, 31 anos, é de uma geração que teve maior acesso à educação. Com Ensino Médio completo, ele segue o cultivo de sua família na localidade de Vila Botucarai, no município de Candelária. Segundo ele, foi um dos poucos da sua turma da escola a permanecer no campo, a maior parte se mudou para a cidade em busca de melhores condições de vida. “Eles estão empregados, se desenvolvendo, têm família, mas têm um estilo de vida muito diferente do nosso”, afirma.

À frente de uma plantação de 90 mil pés de tabaco, destaca que se sente realizado no campo. “Trabalhar com a terra e ser agricultor é o que eu gosto de fazer. Além disso, somos agricultores familiares, o que permite que a gente esteja sempre junto e compartilhe bons momentos”, afirma. Ano que vem, quando seu pai se aposentar, ele, sua esposa Rosana e sua irmã Jéssica serão os principais responsáveis pela manutenção do cultivo. Para melhorar a produção, também contam com o apoio da JTI, dos Orientadores Agrícolas e participam de ações de capacitação.

Com o filho Miguel, 1 ano, Richard também aposta na educação como motor da transformação. “Quero que ele estude, faça faculdade e possa escolher o caminho que quer trilhar no campo ou na cidade”, afirma. E destaca que seja qual for sua decisão terá todo apoio da família. “Quero que ele tenha uma vida boa, se desenvolva e seja feliz”, diz.

Tanto Richard quanto Kopp lamentam as perdas que tiveram no último ano com a estiagem que abateu a região, porém, afirmam que vão seguir trabalhando firme no campo. “Já passei por situações muito difíceis. Teve um ano que deu um granizo muito forte e acabou destruindo todo o tabaco recém plantado. Mesmo assim, conseguimos superar isso, como vamos superar agora”, destaca Kopp. Já Richard afirma que a persistência faz parte do trabalho no campo. “É difícil depender tanto do clima, mas nada é fácil. É preciso se abraçar no que tu quer, no que Deus projeta e focar para alcançar os objetivos”, reflete.

Segundo Paulo Saath, Líder das Operações de Tabaco no Brasil, da JTI, é um orgulho poder contribuir com o desenvolvimento do campo e trabalhar com diferentes gerações de produtores, sendo ele mesmo originário de uma família rural. “O Brasil é o segundo maior exportador de tabaco do mundo e essa conquista é fruto da parceria entre a indústria fumageira e o trabalho dos agricultores familiares. Para nós da JTI, é motivo de orgulho ser parte desse processo e contribuir com o progresso do campo por meio de relações justas, baseadas na confiança, respeito e prosperidade mútua”, afirma.

Sobre a JTI

A Japan Tobacco International (JTI) é uma empresa internacional líder em tabaco e vaping, com operações em mais de 130 países. É proprietária global de Winston, segunda marca mais vendida do mundo, e de Camel fora dos EUA. Outras marcas globais incluem Mevius e LD. Também um dos principais players no mercado internacional de vaping e tabaco aquecido com as marcas Logic e Ploom. Com sede em Genebra, na Suíça, emprega mais de 45 mil pessoas e foi premiada com o Global Top Employer por cinco anos consecutivos. A JTI é membro do Japan Tobacco Group of Companies.

No Brasil, são mais de mil colaboradores em 10 Estados além do Distrito Federal. A operação contempla a produção de tabaco – por meio de 11 mil produtores integrados no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná – compra, processamento e exportação de tabaco, fabricação, venda e distribuição de cigarros em 16 Estados do Brasil. As marcas comercializadas são Djarum, Winston e Camel, essa última também exportada para a Bolívia. Em 2018, 2019 e 2020, a JTI foi reconhecida como Top Employer Brasil.

Colaboração: Matheus Pandolfo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Treviso: Esgoto a céu aberto é tema de indicação

Moradores do Loteamento Nova Esperança estão insatisfeitos com o esgoto a céu aberto. A população procurou o Legislativo e o tema motivou uma indicação...

95 municípios podem ter de realizar segundo turno nas Eleições Municipais de 2020

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 95 municípios com mais de 200 mil habitantes podem ter de promover um segundo turno de...

Réplica da primeira igreja matriz de Orleans, um local que ainda recebe visitantes

A primeira capela da cidade foi construída em 1886 pelo  comendador francês Joaquim Caetano Pinto Júnior. As telhas vieram da França, e possuía 4 janelas...

Polícia Civil prende suspeito de feminicídio e de homicídio de recém-nascido e localiza corpos das vítimas

Na terça-feira (22), a Polícia Civil, por intermédio do Setor de Investigações Criminais de Itapema, cumpriu um mandado de prisão temporária contra um investigado...