Descarte de máscaras por coronavírus desperta preocupação com meio ambiente

O que hoje nos salva a vida pode amanhã ajudar a destruir o planeta, e a importância do despejo correto de lixo para o tratamento devido e a reciclagem pode ser por um novo caso oriundo da pandemia atual: o perigo das máscaras descartáveis se transformarem em mais problema ambiental. Instrumento barato e eficaz para amenizar a transmissão da covid-19, as máscaras desde o início do ano vêm sendo produzidas, vendidas e distribuídas aos bilhões – e toda essa produção começa a ser transformada em um lixo tóxico e de longa duração: a degradação de uma máscara descartável na natureza pode levar até 450 anos.

E o mesmo problema se estende ao despejo das luvas descartáveis. Por se tratar de material leve e semelhante ao papel, muita gente pensa que as máscaras descartáveis são biodegradáveis, mas em verdade costumeiramente elas são feitas de polipropileno, material derivado do petróleo semelhante ao utilizado em para-choques dos carros. Em cidades em que o pico da pandemia aparentemente já passou e que começam sua primeira abertura, como Paris, a situação já é visível: depois do país importar 2 bilhões de máscaras que devem ser descartadas após 2 horas de uso, as lixeiras, parques e ruas da capital francesa se encontram repletas de máscaras usadas. Vale lembrar que a rigor, tal material constitui lixo hospitalar, que deve ser incinerado em seu descarte.

O uso massivo, porém, fez com que autoridades europeias sugerissem técnicas caseiras para um melhor descarte, além de leis que controlem o despejo irregular das máscaras através da aplicação de multas. Trata-se de artefato cujo a reciclagem é praticamente impossível sem técnicas complexas de limpeza, e por isso o descarte vem sendo feito no lixo comum.

Diversos mergulhadores e ambientalistas foram as redes para publicar e divulgar imagens recentes registradas nos oceanos mostrando já a presença de diversas máscaras como material poluentes nas águas – conforme mostram as fotos de um post da página francesa Opération Mer Propre mostrando que, depois de ajudar a combater a atual pandemia, tal material pode vir a provocar um outro desastre ambiental e sanitário no futuro.

Kauê Vieira : Redação Hypeness

Capa : *Mergulhador retira máscaras do mar 

© Opération Mer Propre/Facebook

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Relatório de balneabilidade aponta praias próprias em Laguna

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA-SC) voltou a divulgar nesta sexta-feira, 23, o relatório de balneabilidade que analisa a qualidade das...

Orleans | Departamento de Cultura e o Comitê farão reunião amanhã, 26 sobre a Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc, de Emergência Cultural – Lei Federal Nº 14.017, de 29 de junho de 2020, dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao...

Famílias passarão a receber o Bolsa Família somado ao Auxílio Emergencial até dezembro

Até o próximo dia 30 de outubro, cerca de 12,4 milhões das mais de 14,27 milhões de famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família (PBF) receberão o...

São Joaquim | Forte chuva de granizo assusta moradores da comunidade de Arvoredo

Uma forte chuva de granizo que ocorreu na tarde desta último sábado (24) e assustou os moradores da localidade de São Sebastião do Arvoredo,...