Déficit de atenção: o que é TDAH e como fazer o diagnóstico em adultos

Falta de atenção, impulsividade e inquietude são alguns dos sintomas mais frequentes entre as pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Apesar de ser mais comum em crianças e adolescentes, a condição também pode acompanhar os pacientes na vida adulta.

O TDAH é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas. Os sintomas se apresentam da mesma forma em crianças e adultos. Contudo, pessoas diagnosticadas tardiamente costumam notar a doença com a falta de atenção e concentração em atividades diárias, como estudos e trabalho, e dificuldades na realização de tarefas de rotina.

O diagnóstico, no entanto, não é tão simples. Gabriella conta que, muitas vezes, o TDAH pode ser confundido por leigos como falta de interesse, má educação ou desleixo. Por isso, psicólogo e psiquiatra devem ser procurados para fazer a avaliação correta. “É fácil confundir uma falta de interesse com o transtorno. A condição se caracteriza por tempo de sintomas, histórico familiar e social, e pelos prejuízos que traz ao indivíduo”, esclarece.
Veja como os sintomas do TDAH são caracterizados:
Desatenção
  • Dificuldade para prestar atenção em atividades do trabalho;
  • Parecer não escutar quando falam com ele;
  • Não seguir instruções em tarefas domésticas ou profissionais;
  • Perder coisas necessárias para realizar atividades;
  • Evitar tarefas que exigem esforço mental constante;
  • Esquecimentos frequentes em atividades diárias.

Hiperatividade-impulsividade

  • Agitar as mãos ou os pés ou se remexer na cadeira;
  • Abandonar a cadeira da sala de aula ou outras situações onde se espera que permaneça sentado;
  • Estar frequentemente “a mil” ou muitas vezes agir como se estivesse “a todo o vapor”;
  • Falar de forma exagerada;
  • Dar respostas precipitadas antes das perguntas terem sido concluídas;
  • Ter dificuldade em esperar a sua vez;
  • Interromper ou se meter em assuntos dos outros.
Redes sociais

Com as redes sociais e a facilidade de acesso a elas, é fácil encontrar vídeos em que pacientes e influenciadores digitais falam sobre o tema, aumentando a preocupação de psicólogos sobre o autodiagnóstico e a automedicação sem o suporte especializado.

“Toda forma de conhecimento é muito válida. Contudo, é muito importante ter cuidado com o autodiagnóstico e mais cuidado com a automedicação”, pondera a psicóloga. “O TDAH é um transtorno psíquico que precisa ser muito bem diagnosticado e tratado para que o indivíduo não tenha prejuízos futuros”, afirma.

Tratamento

Quando o TDAH é diagnosticado precocemente, tratamentos medicamentosos e psicoterápicos podem minimizar os sintomas na vida adulta, fazendo com que o paciente se torne mais funcional dentro das expectativas do mundo, esclarece a psicóloga.

Com informações do portal Tua Saúde

Foto : Reprodução

ÚLTIMAS NOTÍCIAS