Comitê orienta Prefeitura de Urussanga sobre intervenção

A proposta de uma intervenção numa parte do trajeto do rio Urussanga sugerida pela Prefeitura de Urussanga foi o tema de uma reunião envolvendo representantes da Defesa Civil do município e do Comitê da Bacia do Rio Urussanga.

Na oportunidade, a Defesa Civil local informou que realizará corte e supressão de rocha no rio Urussanga. A ação, segundo o profissional, integra a Operação Primavera, deflagrada pela Defesa Civil de Santa Catarina com a finalidade de realizar ações de gestão de riscos e de desastres a eventos climáticos. No caso de Urussanga, a justificativa seria o aumento da vazão do rio para reduzir os efeitos das cheias em um bairro específico.

Os representantes do Comitê da Bacia do Rio Urussanga repassaram orientações em relação a intervenção com base em resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) e do Conselho Estadual do Meio Ambiente de Santa Catarina (CONSEMA). O domínio dos recursos hídricos da bacia do rio Urussanga é do Estado, por isso consultas e autorizações competem ao Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA).

O Comitê é um órgão colegiado que realiza a gestão de recursos hídricos, contemplando os 10 municípios inseridos na bacia do rio Urussanga. “A reunião foi importante para colocar o Comitê à disposição da Prefeitura no sentido de planejar toda a obra de intervenção na bacia do rio Urussanga e evitar futuros prejuízos a população da bacia”, esclarece a presidente do Comitê da Bacia do Rio Urussanga, Carla Possamai Della.

Segundo os representantes do Comitê é fundamental que, de forma institucional, a Prefeitura se reporte aos órgãos competentes para autorização dessa intervenção, evitando problemas futuros. A consulta aos órgãos competentes é importante porque a interferência no trajeto do rio Urussanga poderá trazer desdobramentos futuros.

“Com a retirada da laje, o rio vai correr mais rapidamente. Isso significa que, ao ganhar energia, o rio arrastará mais sedimentos, poderá causar erosões nas margens do rio, acima e abaixo da área afetada e alterações na oxigenação da água pelas reações químicas dos metais pesados que influenciarão nos animais e vegetais que vivem dentro do rio, entre outras questões que podem afetar os municípios abaixo deste trajeto. O rio é um todo interligado e qualquer ação vai causar esses desdobramentos de forma imprevisível daqui alguns anos”, finaliza a técnica de gestão de recursos hídricos da Associação de Proteção da Bacia Hidrográfica do Rio Urussanga (AGUAR) à disposição do Comitê Urussanga, Rose Maria Adami.

Comunicação Comitê Rio Urussanga

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Governo Federal destina R$ 3 bilhões de auxílio para o setor de Cultura

O Governo Federal também estendeu a mão à cultura neste momento de crise financeira ocasionada pela pandemia. O presidente Jair Bolsonaro sancionou, no último...

Polícia Militar atende ocorrência de Dano ao Patrimônio Publico e lesão corporal

A Policia Militar de Orleans foi acionada via central de emergência para o atendimento de ocorrência de Dano contra patrimônio público e Lesão corporal...

Mais de 12,5 milhões de brasileiros estão desempregados, aponta IBGE

A taxa de desemprego no Brasil chegou a 12,9%, o equivalente a 12,7 milhões de brasileiros, aponta a última pesquisa Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de...

Polícia Civil faz operação contra tráfico de drogas e cumpre prisões em Tubarão, Laguna e Rio Fortuna

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate às Drogas da Capital, deflagrou, no amanhecer desta sexta-feira, 3, a operação SCURRA, cumprindo aproximadamente...