Colecionadores de vinil compartilham paixão em Feira no Shopping Della

Os discos de vinil surgiram nos anos 50 e se tornaram uma febre desde então. Mesmo com a evolução tecnológica para formatos de vídeo menor até chegar ao digital, alguns amantes de música ainda optam pelos famosos “bolachões”. Esse é o caso do Djalma Santos Araújo, apaixonado pelos vinis desde a infância, influenciado pelo pai, fã e colecionador de discos, em especial dos cantores Nelson Gonçalves e Orlando Dias.

Enquanto o pai apreciava os vozeirões dos ídolos embalando canções românticas, Djalma e os irmãos enveredaram para as bandas de rock. A lembrança da época sempre vem com a história curiosa da compra do primeiro disco. “No Natal de 1979 eu tinha pedido pra minha mãe o disco das Frenéticas, que era um sucesso na época, mas chegando na antiga Musidisco eu acabei levando um disco do Led Zeppelin que me marcou bastante”, relata o colecionador.

Dono de um acervo de mais de sete mil discos de vinil, as paixões dos hábitos das coleções e músicas se estende também para os cds, fitas cassetes, gibis e recortes de jornal. “Eu acredito que colecionar faz parte de um processo para preservar a cultura do povo. Nesse caso tenho interesse pela música e história da segunda metade do século 20”, explica Djalma que também tem formação em artes visuais, história, filosofia e música.

O amor pelos discos se transformou na Feira de Vinil realizada mensalmente no Shopping Della. Organizada pelo grupo de colecionadores Amigos do Vinil e Vinil Rock Club o encontro acontece neste sábado (12) e tem início às 9h e segue até as 17h. O espaço reúne mais de mil discos de vinil com opções para todos os gostos e preços acessíveis, a partir de R$ 15 a unidade.

Encontrar um aparelho tocador de discos antigo não é tarefa fácil, porém opções modernas e versáteis permitem aos amantes dos discos a experiência de ouvir suas relíquias. As vitrolas retrôs, que podem ser encontradas à venda na loja Digitusul, no térreo do Shopping Della, têm o funcionamento parecido e possibilitam  conexão via bluetooth. O aparelho é diferente, mas a qualidade do som e a amplitude dos tons graves das canções continuam dando um toque especial para os amantes de música. “O som dos discos tocados na vitrola é mais arredondado, com menos transientes, que são uma espécie de ruídos rápidos que ajudam a definir a articulação do som”, ensina o colecionador.

Colaboração para o Olhar do Sul/Beatriz Formanski

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

TST aprova reajuste e determina o fim da greve dos Correios

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta segunda-feira, 21, que os funcionários dos Correios devem receber um reajuste de 2,6% e retomar as atividades a partir desta...

Crianças recebem computador por empréstimo para assistir aulas on-line

O Colégio SESC está promovendo uma ação cidadã para possibilitar que seus alunos que não possuem computador em casa assistam às aulas on-line e participem dos encontros realizados...

Laguna | Tem diminuição no número de pacientes ativos em tratamento de Covid

Em uma semana, Laguna teve uma diminuição considerável no número de pacientes ativos, que estão em tratamento de coronavírus no município. A cidade passou...

1ª Dama que vai ao velório, em carro oficial, é condenada com o marido por improbidade 22 setembro 2020 | 09h37min

Aconteceu no Oeste de Santa Catarina em 2009. Um familiar do prefeito faleceu e a primeira-dama e sua tia foram ao velório. O problema...