Colecionadores de vinil compartilham paixão em Feira no Shopping Della

Os discos de vinil surgiram nos anos 50 e se tornaram uma febre desde então. Mesmo com a evolução tecnológica para formatos de vídeo menor até chegar ao digital, alguns amantes de música ainda optam pelos famosos “bolachões”. Esse é o caso do Djalma Santos Araújo, apaixonado pelos vinis desde a infância, influenciado pelo pai, fã e colecionador de discos, em especial dos cantores Nelson Gonçalves e Orlando Dias.

Enquanto o pai apreciava os vozeirões dos ídolos embalando canções românticas, Djalma e os irmãos enveredaram para as bandas de rock. A lembrança da época sempre vem com a história curiosa da compra do primeiro disco. “No Natal de 1979 eu tinha pedido pra minha mãe o disco das Frenéticas, que era um sucesso na época, mas chegando na antiga Musidisco eu acabei levando um disco do Led Zeppelin que me marcou bastante”, relata o colecionador.

Dono de um acervo de mais de sete mil discos de vinil, as paixões dos hábitos das coleções e músicas se estende também para os cds, fitas cassetes, gibis e recortes de jornal. “Eu acredito que colecionar faz parte de um processo para preservar a cultura do povo. Nesse caso tenho interesse pela música e história da segunda metade do século 20”, explica Djalma que também tem formação em artes visuais, história, filosofia e música.

O amor pelos discos se transformou na Feira de Vinil realizada mensalmente no Shopping Della. Organizada pelo grupo de colecionadores Amigos do Vinil e Vinil Rock Club o encontro acontece neste sábado (12) e tem início às 9h e segue até as 17h. O espaço reúne mais de mil discos de vinil com opções para todos os gostos e preços acessíveis, a partir de R$ 15 a unidade.

Encontrar um aparelho tocador de discos antigo não é tarefa fácil, porém opções modernas e versáteis permitem aos amantes dos discos a experiência de ouvir suas relíquias. As vitrolas retrôs, que podem ser encontradas à venda na loja Digitusul, no térreo do Shopping Della, têm o funcionamento parecido e possibilitam  conexão via bluetooth. O aparelho é diferente, mas a qualidade do som e a amplitude dos tons graves das canções continuam dando um toque especial para os amantes de música. “O som dos discos tocados na vitrola é mais arredondado, com menos transientes, que são uma espécie de ruídos rápidos que ajudam a definir a articulação do som”, ensina o colecionador.

Colaboração para o Olhar do Sul/Beatriz Formanski

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Tenente que perdeu a noiva a caminho da igreja lança livro de superação

Pouco mais de um ano após perder a noiva a caminho da igreja, o tenente da Polícia Militar Flávio Gonçalves se emociona ao comentar...

Expectativa de vida dos catarinenses é de 79,9 anos, aponta IBGE

A expectativa de vida de um recém-nascido em Santa Catarina é a maior do Brasil: em média 79,9 anos. Os dados de 2019 são...

MUNDO | Índia produzirá mais de 100 milhões de doses de 1ª vacina russa

MOSCOU, 27 NOV (ANSA) – O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RDIF), responsável financeiro pelo desenvolvimento da vacina contra o novo coronavírus Sputnik V,...

FLORIANÓPOLIS | Governador Carlos Moisés, é absolvido em julgamento e continua no cargo

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), foi absolvido no tribunal especial de julgamento nesta sexta-feira (27). Com isso, ele retorna ao cargo. O...