Candidatas a Patrimônio Mundial, fortalezas em Santa Catarina são foco de pesquisa

estemunhos do histórico esforço para a ocupação, defesa e integração do território nacional, duas fortalezas de Santa Catarina integram o conjunto das 19 fortificações brasileiras candidatas a Patrimônio Mundial. Com o objetivo de conhecer melhor o perfil de visitação das Fortalezas de Santo Antônio de Ratones e de Santa Cruz de Anhatomirim, está aberta uma pesquisa para buscar a contribuição direta da sociedade.
A iniciativa é do Comitê Técnico conduz o processo de candidatura em âmbito estadual, coordenado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em Santa Catarina (Iphan-SC). A ideia é explorar os usos adequados para os bens e atrativos que gerem qualificação aos espaços, sustentabilidade financeira e aumento no fluxo de visitantes.  De acordo com o Iphan a ação é muito importante, uma vez que a conservação, manutenção e integridade dos bens é condição indispensável para a boa gestão e requisito da Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura (Unesco) para o reconhecimento como patrimônio mundial.
Esse primeiro questionário auxiliará na composição de um plano de negócios para tornar ainda mais atrativo o passeio a estes bens culturais e busca identificar, entre outros pontos, que tipo de atração turística geraria maior interesse, o que deixaria as pessoas mais dispostas a permanecer no local, qual a frequência de visitação, bem como se há interesse em outros tipos de lazer integrados às Fortalezas, além da musealização dos espaços. Todos aqueles que já conheceram esses bens ou que gostariam de conhecer podem participar da pesquisa até o dia 31 de julho.
Fortalezas 
Tombadas pelo Iphan desde 1938, as Fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim e de Santo Antônio de Ratones possuem arquiteturas monumentais e começaram a ser construídas em 1739 e 1740, respectivamente, sob o comando do primeiro governador da Capitania de Santa Catarina, o engenheiro e militar José da Silva Paes. Eram parte de um sistema projetado para defender a sede da Capitania contra as investidas estrangeiras Santa Cruz de Anhatomirim e Santo Antônio de Ratones foram construídas em ilhas menores ajudando a formar um triângulo de fortes que protegia a entrada da Baía Norte, completado pelo Forte de São José da Ponta Grossa, que foi construído na própria Ilha de Santa Catarina.
As duas fortificações são compostas por diversas edificações que serviam aos diferentes usos da logística militar: lá estão baterias de canhões em terraplenos, quartel da tropa, casa do comandante, portada, paiol da pólvora, entre outras. A Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, a maior de todo o sistema defensivo, era o principal vértice deste triângulo e teve muitos usos, mesmo após o período colonial: serviu também como hospital, albergue, presídio e chegou a ser local de fuzilamento de revoltosos durante o governo de Floriano Peixoto.
Instituído em setembro de 2018, o comitê trabalha para estabelecer diretrizes, conceitos e demais ações para a elaboração do dossiê técnico referente às Fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim e de Santo Antônio de Ratones no âmbito da candidatura do Conjunto de Fortificações do Brasil a Patrimônio Cultural Mundial. O Grupo já realizou mais de 15 encontros para discutir as etapas da candidatura e elaboração do documento técnico, o que resultou em diversas oficinas. Entre as próximas ações do Iphan no contexto da candidatura está uma oficina de formação em inventários participativos para professores da rede pública. Este trabalho de educação patrimonial acontecerá nas escolas de Governador Celso Ramos e Florianópolis. A iniciativa culminará na publicação de livro com os resultados da ação.
No ano de 2016, o Iphan apresentou à Unesco a candidatura do Conjunto de Fortificações do Brasil a título de Patrimônio Mundial. São 19 bens, fortes e fortificações, construídos entre os séculos XVI e XIX, localizados em todas as regiões do país. Consistem em testemunhos do histórico esforço para a ocupação, defesa e integração do território nacional. A expectativa é que o reconhecimento seja analisado pela Unesco em 2022, quando se espera que as construções defensivas do Brasil entrem na rota do turismo internacional.
Implantadas pelos europeus no Brasil, as fortificações tiveram origem em um processo de ocupação do território de modo particular, diferenciado das outras potências coloniais. Baseava-se em um esforço descentralizado, oriundo de ações dos próprios moradores das diferentes capitanias que formariam o Brasil, sem uma maior intervenção da metrópole. Isso resultou na construção de centenas de fortificações, espalhadas por todo o território nacional, edificadas para atender mais a interesses locais do que os da metrópole. O conjunto representa as construções defensivas implantadas no território nacional, nos pontos que serviram para definir as fronteiras marítimas e fluviais do país.
Foto 2: Fortaleza de Anhatomirim Crédito Acervo Iphan Edu Llyra
Ascom Iphan – Mécia Menescal

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Auxílio Emergencial começa a ser pago a beneficiários do Bolsa Família

Até 30 de setembro, 1,6 milhão de beneficiários do Bolsa Família irão receber a primeira das quatro parcelas do lote residual do Auxílio Emergencial....

Onça-pintada é tratada com células-tronco e se recupera

Uma onça-pintada batizada de Amanaci, uma das incontáveis vítimas dos piores incêndios já registrados no Pantanal, está sendo tratada com injeções de células-tronco que...

Aumento de vagas de trabalho apontam para retomada gradual da economia

“Setores de saúde, tecnologia, vendas e gestão de pessoas lideram as ofertas de vagas no mercado de trabalho”. Desde o início da pandemia causada pelo...

SC | Governo anuncia pagamento da 1ª parcela do 13º salário para outubro

O governador Carlos Moisés anunciou na tarde desta quarta-feira (23) que o pagamento da primeira parcela do 13º salário do funcionalismo público estadual ocorrerá no dia 16 de outubro. A...