Brasileira casada com vice governador da Pensilvânia é vítima de racismo nos EUA

Casada com o vice-governador do estado da Pensilvânia, nos EUA, a brasileira Gisele Barreto Fetterman foi às redes sociais no último domingo, dia 11, para denunciar um ataque racista que sofreu enquanto fazia compras em uma mercearia local. O vídeo mostra uma mulher abaixando a máscara no rosto para chamar Gisele por um termo considerado extremamente pejorativo e racista no país. De acordo com o post, os ataques começaram antes da filmagem, quando ela ainda estava dentro da loja, e seguiram durante uma perseguição pelo estacionamento. Por pensar se tratar de uma rápida e simples ida à mercearia, a “segunda dama” do estado havia dispensado a segurança que costuma lhe acompanhar.

“Eu fui até a mercearia local e fui atacada verbalmente por essa mulher que repetia que eu não pertencia a esse país. O confronto continuou até o estacionamento onde finalmente pude registrar depois que parei de chorar”, escreveu Gisele, que é casada com John Fetterman, político do Partido Democrata e atual vice-governador da Pensilvânia. “Esse comportamento odioso é ensinado. Se você a conhece, se ela sua vizinha ou parente, por favor, ensine a ela o amor”, seguiu. “Eu amo, amo, amo esse país, mas estamos profundamente divididos”.

Forças oficiais do estado iniciaram investigação imediata, e a agressora já foi identificada – as informações serão avaliadas pela polícia local, mas nenhuma queixa-crime foi prestada.

Gisele com seu marido, John Fetterman, vice-governador do estado © Instagram

O governador do estado, Tom Wolf, respondeu à denúncia de Gisele referindo-se à agressão racista como sendo “vergonhosa e inaceitável”, e oferecendo todo apoio e gratidão à brasileira, que preside três ONGs nos EUA, por seu “trabalho incansável para tornar a Pensilvânia o lugar mais diverso e inclusivo que é hoje”, disse o governador. “Gisele Fetterman usa quase todo seu tempo fazendo do nosso estado e mundo um lugar melhor e ela – e todo morador da Pensilvânia – merece respeito e não ódio tão frequentemente demonstrado por pessoas que procuram dividir ainda mais o país em um tempo em que a união é tão necessária”, escreveu Wolf. “Racismo é inaceitável sempre. Ninguém deve se sentir indesejado em nossa comunidade pela sua raça ou etnia”.

Gisele Barreto Fetterman é carioca, tem 38 anos e vive nos EUA desde a infância, quando mudou para o país com sua mãe. Mãe de três crianças com John, ela viveu por mais de uma década por lá indocumentada, e conseguiu o Green Card – documento que garante sua residência fixa e legalizada no país – em 2004, tornando-se cidadã estadunidense em 2009.

© Instagram

Vitor Paiva: Redação Hypeness

© fotos: créditos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Gruta de acesso as localidades do interior de Orleans está sofrendo invasão de furto de flores

As caminhadas costumam começar bem cedinho principalmente nos fins de semana e feriado, e seguem até por volta das 16h já que escurece cedo,...

Morre voluntário brasileiro de testes de Oxford; empresa não diz se ele tomou vacina ou placebo

SÃO PAULO - Um voluntário brasileiro da pesquisa da vacina contra a covid desenvolvida em parceria pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca morreu por complicações da covid-19. Não se...

Núcleo Jovem de Içara lança canal no YouTube com Talk sobre marketing nesta quinta-feira

O Núcleo Jovem da Associação Empresarial de Içara vai estar presente também no YouTube a partir desta semana. A primeira participação na plataforma de...

Com lojas fechadas por 26 dias em meio à pandemia, varejo de Criciúma precisou de reinventar

"Presidente da CDL, Andréa Salvalággio, compartilhou aprendizados no Alfa Talk desta semana". Desaprender para reaprender. A máxima de muitos setores durante a pandemia não foi...