Brasil exporta 487 mil t de arroz beneficiado no ano comercial 2019/2020

As exportações brasileiras de arroz beneficiado totalizaram 487 mil toneladas (base casca) no ano comercial 2019/2020 (1º de março/2019 a 29 de fevereiro/2020). Foi o maior volume embarcado nos últimos quatro anos. Além disso, supera em 12 mil t a quantidade vendida para o mercado externo em 2019.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira 18 pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) e pelo Sindicato da Indústria do Arroz no Estado do Rio Grande do Sul (Sindarroz-RS).

“Em valores, as exportações de arroz beneficiado, no ano comercial 2019/2020, representaram US$ 160 milhões, US$ 10,3 milhões a mais do que o faturamento do período anterior, de 2018/2019”, destaca o diretor executivo do Sindarroz-RS, Tiago Sarmento Barata.

De acordo com o executivo do Sindarroz-RS, o resultado das exportações de arroz beneficiado no ano comercial 2019/2020 foi muito bom e reforça a posição do Brasil no mercado internacional como exportador de arroz beneficiado de qualidade.

“Conseguimos fidelizar alguns mercados importantes, como o Peru. Paralelamente, abrimos mercados novos, reconhecidos mundialmente como valorizadores da qualidade do nosso arroz beneficiado, como o Iraque, por exemplo”, diz o executivo do Sindarroz-RS.

Ainda segundo Tiago Barata, a expectativa é que o arroz beneficiado brasileiro conquiste novos mercados em 2020. “Um dos mercados que está muito no nosso radar é o México, onde realizamos, recentemente, uma missão institucional com o objetivo de visitar as autoridades mexicanas e potenciais importadores.”

Conforme a diretora executiva da Abiarroz, Andressa Silva, a ação no México buscou sensibilizar as autoridades daquele país e potenciais importadores sobre a capacidade das indústrias brasileiras de fornecer arroz de forma constante, com qualidade reconhecida internacionalmente, e a preços mais competitivos para o consumidor mexicano.

Para assegurar um bom fluxo de negócios, a diretora ressalta a importância de gestões do governo brasileiro para incluir a isenção de imposto de importação ou fixação de cotas por meio da ampliação do Acordo de Complementação Econômica (ACE) nº 53 para o arroz brasileiro.

“Confiamos no comprometimento das autoridades brasileiras para inclusão do arroz beneficiado nas negociações para ampliação do ACE nº 53. Nesse meio tempo, seria de grande relevância a gestão do Ministério da Economia brasileiro junto à pasta correspondente do México para assegurar a renovação da cota para exportação de arroz, de 150 mil toneladas, livre de impostos, para o corrente ano”, enfatiza a diretora executiva.

Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

LOTÉRICA ORLEANS INFORMA: Mega-Sena acumula e segundo sorteio da Mega da sorte pode pagar r$ 32 milhões hoje quinta (22/10)

O segundo sorteio da Mega-Semana da Sorte poderá pagar R$ 32 milhões hoje quinta-feira (22/10) para quem acertar as seis dezenas do concurso 2.311...

Cinema | Tom Cruise é flagrado em filmagens de Missão: Impossível em Veneza

O astro Tom Cruise voltou a ser flagrado por fãs e paparazzi filmando cenas de ação da franquia “Missão: Impossível” na Itália. Os novos...

‘Para nós, pouco importa de onde vem a vacina’, diz presidente da Anvisa

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra, disse nesta 4ª feira (21.out.2020) que a agência reguladora se manterá “fora da discussão política” e...

Papa do ‘fim do mundo’ volta a desafiar tradição da Igreja

BRASÍLIA - O apoio do Papa Francisco às leis para a união civil entre pessoas do mesmo sexo, divulgado nesta quarta-feira, 21, num documentário exibido no Festival...